As portas da Caixa de Assistência dos Advogados (CAA-MT) devem ser abertas para outros planos de saúde oferecerem seus serviços. Também é preciso negociar com a Unimed uma redução das mensalidades, hoje “altíssimas” para a classe. A avaliação foi feita pelo advogado Fábio Capilé, candidato à presidência da OAB de Mato Grosso, durante o último debate entre os cinco candidatos na Eleição 2015. O debate foi transmitido pela TV Band MT, na noite desta terça-feira (24/11). Capilé preferiu focar nas propostas em vez de fazer ataques pessoais.

“Nós vamos tomar medidas austeras, rever contratos da Unimed, cláusulas abusivas e abrir oportunidade para novas empresas de planos de saúde oferecerem serviços à categoria”, disse. Segundo Capilé, profissionais da capital e do interior, em início de carreira ou que já formaram famílias, estão “penando no dia a dia” para dar conta de pagar as mensalidades da Unimed.

Leia também:  Ouvidoria Itinerante do MPE realiza atendimento nesta quarta-feira no centro da Capital

Para Capilé, é preciso fazer com que a CAA-MT preste serviços e não atue somente entregando “cupons de descontos”.

O candidato disse também que “o advogado está cansado de ser aviltado no dia a dia” e que precisa de uma Ordem forte.

No debate, um dos candidatos foi acusado de ser “mentiroso” por ter dito, em confronto anterior, que em Rondonópolis há uma clínica de saúde implementada pela CAA-MT. Sobre isso, Capilé disse que esteve na segunda-feira (23/11), em Rondonópolis, e não encontrou clínica nenhuma lá. “Mas nós vamos interiorizar a gestão, criando polos de descentralização nas regiões norte, sul, leste, oeste do Estado”, garantiu.
Para apoiar advogadas e advogados, ele quer também, se eleito, levar os cursos da Escola Superior de Advocacia (ESA), como por exemplo, de oratória e gestão de escritório ao interior, além do fortalecimento do Tribunal de Defesa das Prerrogativas (TDP).

Leia também:  Assistência Social de Alto Taquari dá pontapé inicial em "Campanha do Cobertor"

Capilé voltou a defender a desvinculação partidária da Ordem e lembrou que ele e a candidata à vice-presidência, Ivanowa Quintela, não irão concorrer a eleições até um ano após o término dos mandatos. “Os outros candidatos não têm condições de prometer isso. Eu tenho”, assegurou.

Ele voltou a defender, ainda, os escritórios rotativos para o uso da jovem advocacia e de advogados e advogadas em trânsito, assim como a construção de uma espécie de hotel, na área da OAB, com conforto de um quarto com ar condicionado, TV, frigobar e wifi.

Mandando um recado para alunos e ex-alunos, o líder da Chapa 2, Fábio Capilé, disse que faz questão de trabalhar para “dar todas as oportunidades a quem está começando na carreira, para que sintam toda confiança ao entrar no mercado de trabalho. “Meus alunos sabem o quanto eu os apoio. Eles não precisam do peixe. Precisam da vara para pescar”, compara.

Leia também:  Prazo para alistamento militar de 2017 vai até 30 de junho

Capilé afirmou, ainda, que quer criar um banco de dados no site da OAB para favorecer quem estiver em busca da primeira colocação e também o escritório. Segundo ele, os dois lados saem ganhando. “Hoje não temos iniciativas que façam essa ligação de informações”, observou.

Capilé também defendeu a humanização da Ordem. Ele propôs que a parede azul da instituição deve se abrir para o advogado e advogada e para a sociedade. Nas considerações finais, o candidato agradeceu sua equipe, fez uma jura de fidelidade eterna para a mulher, Kelly Capilé, e pediu votos para advogadas e advogados por acreditar que a Chapa 2 tem as melhores propostas. Para conhecer mais sobre as propostas da Chapa 2 – Somos Todos OAB, basta entrar no site www.somostodosoab.com.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.