A operação salvamento está dando certo!

Centenas de pescadores e especialistas se uniram para salvar 20 espécies de peixes como robalos, dourados, corvinas e outras espécies, da lama podre das barragens da mineradora Samarco, em Mariana. Lama que segue o curso pelo Rio Doce e chegou nesta quarta-feira a Colatina, no Espírito Santo.

Pelo menos 6 mil estão à salvo agora. Eles foram soltos em lagoas da região.

Arca de Noé

Batizada pelos próprios pescadores de a Arca de Noé de Colatina, a operação consiste em pescar os peixes, colocá-los em isopores com água e jogá-los dentro de um pequeno açude protegido por barreiras de areia.

O açude construído pelos pecadores do outro lado do Rio Doce, com ajuda de maquinários, é uma espécie de cativeiro da salvação.

Leia também:  Carro com mais de 245 mil multas é apreendido pela PRF do Paraná

Mantê-los em cativeiro foi a alternativa encontrada para não perder o sustento de milhares de famílias depois que a lama tomar conta.

“Dá uma angústia muito grande na gente. Não tem nem o que dizer direito”, contou o pescador Roni Oliveira ao Zero Hora, temendo a morte anunciada do rio.

“Nós fizemos esse poço para botar os peixes para viver. Estamos salvando a vida deles. Vamos continuar trabalhando aqui, salvando os peixinhos, dia e noite, até que a lama cesse”, disse João Correia, o João “Areia”.

Foto: AgênciaRBS/AndersonFetter
Foto: AgênciaRBS/AndersonFetter

A ideia

Diante de mais de uma centena de pescadores, o chefe da Arca de Noé, o fotógrafo — e pescador — Edson Negrelli, explica como surgiu a ideia:

Leia também:  Adolescente é estuprada dentro de ônibus coletivo no RJ

“Foram quatro malucos, incluindo eu, que pensaram nisso. Aí um de nós falou em Arca de Noé. A ideia se espalhou pelos municípios vizinhos, Linhares e Baixo Guandu. Lá também botaram isso em prática. Nunca pensei que essa nossa intenção fosse tomar a proporção que tomou. Graças a Deus estamos conseguindo fazer nossa parte.

Diante de um rio prestes a morrer, Negrelli diz que a ação já salvou mais de 20 espécies diferentes e mais de seis mil peixes. Emocionado, faz um desabafo:

“É incrível a colaboração de todas as pessoas, até de quem não vive do peixe. É um sentimento que não sei explicar. Não sou pescador, mas já vivi 40 anos dentro desse rio pescando. Sempre foi muita fartura. Imaginar que isso tudo acabou agora é muito difícil”, concluiu.

Leia também:  Forte redemoinho atinge região paulista e deixa moradores amedrontados
Foto: AgênciaRBS/AndersonFetter
Foto: AgênciaRBS/AndersonFetter

A nossa ação aqui envolve a captura peixes, crustáceos, moluscos, todo o tipos de fauna que temos na bacia do rio. Com a ajuda de órgãos públicos e privados, que possuem maquinários, os canais que trazem a água do rio para essas lagoas estão sendo fechados para impedir a contaminação do ambiente e dos animais”, disse Dubberstein.

Foto: AgênciaRBS/AndersonFetter
Foto: AgênciaRBS/AndersonFetter
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.