A cobrança de pedágio no trecho das BRs 163/364 de Rondonópolis para Cuiabá foi questionada ao Ministério Público Federal pelo vereador Ibrahim Zaher (PSD). O documento foi encaminhado na semana passada e solicita verificação da legalidade do pagamento do pedágio pelos motoristas tendo em vista que a rodovia que une as duas BRs está em condições precárias, cheia de buracos e não oferece segurança para os motoristas.

Outro ponto destacado é que as empresas que executam as obras no trecho o fazem de forma lenta e a cobrança do pedágio é realizada por uma terceira empresa, a Rota do Oeste.

Para o vereador, a população já pagou pelas obras através do recolhimento de impostos à União que contratou as empresas para executar a recuperação da referida via, o que não ocorre a contento tendo em vista a quantidade de buracos e falta de segurança. E agora paga novamente, desta vez, o pedágio para trafegar no referido trecho para outra empresa que não tem compromisso nem contrato para recuperar o trecho que possui o asfalto danificado.

Leia também:  Vereador pede à Coder melhorias para Galileia

No documento encaminhado ao MPF, o vereador solicita revisão dos contratos e análise para verificar andamento das obras, cobrar agilidade na execução do que está no contrato e também a legalidade do pagamento do pedágio pelo motorista que está trafegando numa via sem segurança.

“Estamos falando de um trecho com alto índice de acidentes e encontro de duas rodovias, BRs 163 e 364, único caminho para escoamento de toda a safra do Estado e também via de acesso para o Norte do estado e do país. Queremos uma solução para o problema, não achamos justo que a população pague duas vezes por uma via cheia de buracos e sem segurança alguma”, concluiu.

O documento foi protocolado no 1º Ofício do Ministério Público Federal em Rondonópolis no último  dia 17  de novembro.

Leia também:  Projeto prevê isenção para estacionamento em área Zona Azul
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.