Quem saiu festejando de Pipeline, no Havaí, foi Adriano de Souza, o Mineirinho. Ele conquistou o segundo título brasileiro no Mundial de surfe. Mas não foi só ele quem comemorou. Mesmo derrotado e terminando apenas em quarto do mundo, Filipe Toledo pode ostentar o prêmio de atleta que mais ganhou dinheiro em 2015.

Com três títulos durante todo o ano – contra dois de Mineirinho -, ele foi o surfista que mais venceu e faturou US$ 397,5 mil (R$ 1,54 milhão) durante a temporada. Desse dinheiro, US$ 10,5 mil (R$ 40 mil) vieram em Pipeline.

Esse valor é mais do que Mineirinho conquistou durante o ano. Aliás, quando o assunto é lucro, Adriano de Souza teve outra disputa equilibrada com Mick Fanning. Ambos ganharam US$ 377 mil (R$ 1,46 milhão).

Leia também:  Rodada "madrasta" coloca Luve de volta ao Z-4

Importante na disputa do título ao eliminar Fanning nas semifinais de Pipeline, Gabriel Medina, terceiro colocado do Mundial, também chegou na premiação dos “milhões” na temporada. Ele faturou US$ 335 mil (R$ 1,3 mil) em 2015.

Quando o assunto é carreira, Mineirinho ainda está à frente de Filipinho. Mais velho no circuito, Adriano de Souza já ganhou US$ 1,7 milhão (R$ 6,6 milhões) no principal torneio de surfe do mundo. Já Toledo faturou “apenas” US$ 978 mil (R$ 3,8 milhões). Medina tem lucro até agora de US$ 1,5 milhão (R$ 5,8 milhões).

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.