Foto: Você-repórter
Foto: Você-repórter

Apesar de ser uma rodovia pedagiada, onde contribuinte paga para usufruir de vias conservadas e que ofereçam segurança aos motoristas, a BR-163, cedida a concessionária Rota do Oeste, tem sido alvo de reclamação por parte dos condutores. Um motorista que sofreu um acidente na Br-163/364 no último dia 24 denunciou a reportagem do AGORA MT, que um buraco em um trecho na rodovia próximo a Rondonópolis tem tomado dimensão.

“O acidente me causou apenas danos materiais, mas na ordem de mais de R$ 6 mil, pois danificou totalmente a suspensão dianteira do lado esquerdo, chegando a furar o capô do carro, pois o ferro do amortecedor subiu e o carro, está na concessionária autorizada pois não se encontra a maioria das peças em outras lojas, ” relatou o motorista.

Buraco que ocasionou o acidente no dia 24 de novembro - Foto: Você-repórter
Buraco que provocou o acidente no dia 24 de novembro – Foto: Você-repórter

A vítima disse que o buraco no local é preocupante pois pode ocasionar mais acidentes na via. No local, são notadas as frenagens por parte dos motoristas, demonstrando, segundo o motorista, o risco eminente de outros acidentes.

Leia também:  Ultrapassagens indevidas aumentam 58% nas rodovias de MT durante o feriado de Corpus Christi

“Os veículos que trafegarem atrás das carretas, podem ser surpreendidos com o buraco, ocasionando a perda da direção, como de fato aconteceu comigo, ” contou o condutor.

O motorista ainda contou que a Concessionária Rota do Oeste ainda não respondeu ao registro do acidente e também não houve reembolsou do prejuízo. Apesar de comunicar a concessionária sobre o buraco no local, o mesmo ainda não foi reparado, tendo aumentado em decorrência da chuva.

No local, cones foram usados na tentativa de sinalizar o buraco - Foto: Você-repórter
No local, cones foram usados na tentativa de sinalizar o buraco – Foto: Você-repórter

ROTA DO OESTE

A nossa reportagem entrou em contato com a assessoria da concessionária Rota do Oeste que, por meio de nota, esclareceu que apesar da empresa está realizando um trabalho temporário de conservação na rodovia, o trecho é de responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Leia também:  Mato Grosso fica em 2º lugar no ranking de geração de empregos em todo o Brasil

“A Concessionária Rota do Oeste deu início, em outubro passado, aos trabalhos de recuperação emergencial do trecho de 174 quilômetros compreendidos entre os municípios de Rondonópolis e Cuiabá, com exceção da Serra da São Vicente, após autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). No entanto, o responsável legal por este segmento da rodovia continua sendo o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes), haja vista que não se trata ainda da inclusão formal do trecho na concessão e sim um termo aditivo para trabalhos emergenciais.

É preciso esclarecer que, a partir da decisão da ANTT (Agencia Nacional de Transportes Terrestres) para a realização destes trabalhos, em agosto, a Concessionária iniciou prontamente as obras de conservação no local, que mantém até hoje ininterruptamente.  

O trecho entre Rondonópolis e Cuiabá é diferente dos demais trechos já assumidos pela Concessionária, como o que vai de Rondonópolis à divisa com Mato Grosso do Sul, a rodovia dos Imigrantes, na região de Cuiabá, e de Diamantino até Sinop, ponto final da concessão. Em todos estes trechos a responsabilidade legal é da Concessionária, que responde pelas obras de duplicação, recuperação e conservação, além de ter realizado os trabalhos de adequação no início do período da concessão, ” disse a assessoria.

DNIT

Leia também:  Governo divulga cronograma de pagamento do segundo semestre

A nossa equipe de reportagem tentou entrar em contato com a assessoria de comunicação do DNIT, porém, as ligações não foram atendidas, bem como, não obtivemos resposta até o fechamento desta matéria ao e-mail encaminhado aos responsáveis.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.