Com o objetivo de respaldar o trabalho dos agentes de saúde na eliminação de criadouros do mosquito Aedes aegypti em imóveis, estabelecimentos comerciais e nos locais em que os moradores apresentam alguma resistência, a 1ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania e do Consumidor de Rondonópolis encaminhou notificação recomendatória ao Município e ao Estado sugerindo a adoção de várias medidas. Segundo o MPE, a Vigilância Sanitária vem realizando intensa ação fiscalizatória na cidade.

Entre as medidas sugeridas, figura a identificação dos endereços e dos obstáculos eventualmente apresentados pelos moradores com intuito de impedir a ação fiscalizatória. Tais informações deverão ser encaminhadas ao Ministério público para que sejam adotadas as providências visando a responsabilização criminal dos infratores.

Leia também:  'Mega Feirão de Pisos' acontece no mês de dezembro em Rondonópolis

O Código Penal Brasileiro prevê como crime a conduta de expor a perigo a vida e a saúde de outrem, com previsão de pena de três meses a um ano. Consideram-se, ainda, crimes, as condutas de causar epidemia mediante a propagação de germes patogênicos (art. 267 do CP) e a de infringir determinação do Poder Público destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa (art. 268), além do crime de desobediência que prevê pena de quinze dias a seis meses, e multa.

De acordo com o entendimento da promotora de Justiça Joana Maria Bortoni Ninis há, em casos específicos, inclusive, a possibilidade de prisão em flagrante, sem prejuízo das responsabilidades administrativas e civis. Na notificação, ela destaca que Rondonópolis encontra-se em situação de iminente surto epidêmico devido à imensa quantidade de imóveis urbanos que mesmo habitados encontram-se em situação de abandono.

Leia também:  Manutenção no 'Setor Buriti' irá comprometer o abastecimento de água em 6 bairros

Alerta, ainda, que após a notificação e diante da inércia dos proprietários dos imóveis, a Prefeitura Municipal poderá efetuar a limpeza dos terrenos e dos imóveis e cobrar as despesas realizadas acrescidas de taxas.

 “Dentro das esferas de responsabilidades que cada ente possui é necessário que sejam realizadas o mais rápido possível todas as ações necessárias no combate ao Aedes aegypti e, notadamente, prevenção à dengue, chikungunya, leishmaniose e zika vírus. O quadro atual em Rondonópolis exige o controle rigoroso das ações implementadas, análise da oportunidade de controle químico, implemento de recursos humanos e adequação de gastos públicos, tudo de modo a garantir a saúde pública de todos os habitantes do município”, ressaltou.

Leia também:  Chuvas atrasam programações de reforma de pastagens em MT

Cópias da Notificação Recomendatória também foram encaminhadas à Câmara Municipal de Rondonópolis, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Delegacia Regional de Polícia, Vigilância Sanitária, Associações de Moradores de Bairros, imobiliárias, Conselho Regional de Corretores de Imóveis, entre outros órgãos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.