Nesta terça-feira (1º) a Secretaria Municipal de Saúde notificou 37 casos suspeitos de microcefalia. Os dados foram coletados pela Santa Casa de Misericórdia e Maternidade de Rondonópolis entre os meses de setembro e novembro deste ano e comunicados ao Departamento de Vigilância Epidemiológica do Município, que os repassou imediatamente via o Sistema de Informação de Nascidos Vivos – Sinasc ao Ministério da Saúde.

Dos 37 casos suspeitos, em oito bebês já foram feitos exames de tomografia e em quatro foram realizadas ainda coleta de soro para verificar se o caso pode ter relação com o zika vírus. A Secretaria Municipal de Saúde reuniu esforços com a Santa Casa, tanto para uma busca ativa de casos, como para a realização de exames necessários para a confirmação da microcefalia.

Leia também:  Projeto Mais Esporte, Mais Cidadania vai beneficiar cerca de 1.200 alunos

Segundo a secretária Municipal de Saúde, Marildes Ferreira, o momento é de reunir esforços e definir estratégias. “Amanhã (2) vamos nos reunir às 14h com a equipe médica e Vigilância Epidemiológica para definir estratégias para os acompanhamentos dos bebês identificados com suspeita de microcefalia, para a realização exames e formação de equipe multidisciplinar com o objetivo de atacar o problema”, disse a secretária.

Para o gerente do Departamento da Vigilância Epidemiológica Municipal, Edgar Prates, com a busca ativa realizada pela Santa Casa o número de casos suspeitos pode vir a aumentar nos próximos dias, mas a Saúde está preparada para acompanhar e realizar os exames em todos os bebês.

Além dos esforços para identificar e acompanhar casos suspeitos de microcefalia, a Vigilância Epidemiológica também concentra forças no combate ao aedes aegypti, atuando diretamente nos focos do mosquito e na conscientização da população quanto aos cuidados que devem ser adotados para evitar a proliferação do aedes aegypti.

Leia também:  Unegro realiza nesta sexta o Baile da Igualdade

Contudo, é importante ressaltar que os casos suspeitos serão investigados, bem como sua relação com o zika vírus, já que há casos de microcefalia causados por outras síndromes ou más formações.

Reunião

Ainda nesta terça-feira (1º), uma equipe da Superintendência da Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde se reuniu com representantes da Secretaria Municipal de Saúde e com a secretária da Pasta, Marildes Ferreira, para tratar da questão.

Ficou definido  que a Santa Casa comunicará ou Município qualquer caso de suposta microcefalia logo após o nascimento para a Vigilância Epidemiológica para que esta faça a notificação do caso.

Também ficou esclarecido que a Vigilância Epidemiológica de Rondonópolis e a Santa Casa de Misericórdia e Maternidade seguiram todos os procedimentos do Ministério da Saúde quanto às notificações de casos suspeitos de microcefalia.

Leia também:  Contribuintes podem continuar negociação de dívidas até 20 de dezembro

Para o Ministério da Saúde, em seu relatório sobre casos de microcefalia no Brasil, datado do último dia 30, nenhum caso ainda havia sido notificado em Rondonópolis.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.