Foto: José Medeiros / Gcom-MT
Foto: José Medeiros / Gcom-MT

Agentes comunitários de saúde e agentes de combate a endemias nos municípios mato-grossenses passarão a receber R$ 200,00 a mais no salário como estímulo para intensificarem a atuação contra o mosquito Aedes aegypti. A medida foi anunciada nesta quarta-feira (20) pelo governador Pedro Taques (PSDB) como uma das iniciativas do plano emergencial integrado lançado para evitar a proliferação do vetor de doenças como dengue, chikungunya e zika.

De acordo com o governador, o estado deverá enviar recursos às Prefeituras para realizar a complementação salarial de R$ 200 aos agentes de saúde entre fevereiro e maio. Atualmente, um agente recebe cerca de R$ 800, de modo que a complementação deverá equivaler a um “14º salário”, nas palavras do governador.

Leia também:  Exportação de carne bovina aumenta em MT

“Nós reconhecemos a importância desses profissionais e o estado de Mato Grosso está estudando a questão orçamentária para que esses valores não possam ser retirados depois desses quatro meses”, assegurou Taques no lançamento do plano emergencial de enfrentamento ao Aedes aegypti.

Reprodução
Reprodução

Além da complementação salarial dos agentes, o estado se comprometeu a auxiliar financeiramente os municípios para as ações de vigilância epidemiológica e combate às endemias. Serão distribuídos aos 141 municípios pouco mais de R$ 20,1 milhões em recursos do estado.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Eduardo Bermudez, cerca de R$ 13 milhões serão repartidos de forma equânime entre as prefeituras – de forma que cada uma deverá receber, portanto, pouco mais de R$ 92 mil – e os demais R$ 7 milhões serão distribuídos conforme o tamanho da população de cada município.

Leia também:  MPE notifica Poderes para que travestis e transexuais possam usar ‘nome social’

Os valores servirão para gastos como aquisição de equipamentos e custeio das ações de controle do Aedes aegypti nos municípios e as ações deverão ser coordenadas por uma sala de situação de abrangência estadual na Secretaria estadual de Saúde (SES) em ligação com os escritórios de saúde do estado e com as secretarias municipais de saúde.

Os municípios também deverão receber reforço de veículos para o trabalho de limpeza de criadouros e focos do mosquito Aedes aegypti nos municípios.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.