O feriado de Ano Novo mal acabou e os brasileiros já começam a se deparar com gastos extras em 2016. As informações dos economistas são de que vai ficar mais caro se locomover, morar e estudar neste ano que começa.

O Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) deve ter um aumento entre 9% e 10% em diversas cidades. As instituições de ensino particulares também vão reajustar as mensalidades de 10% a 15%.

Outros setores que também vão sofrer reajustes são os de eletrônicos e bebidas quentes. No primeiro dia do ano, o governo federal publicou um aumento de impostos para produtos eletrônicos e bebidas quentes, como vinho, uísque e vodca. Ainda tem os preços influenciados pelo dólar, que subiu quase 50%.

Leia também:  Com preços menos atrativos, produtores devem reduzir área destinada ao milho

MORADIA

Quem paga aluguel já sabe que a cada 12 meses vai ter que separar um dinheiro a mais por causa do aumento. O IGP-M, índice de inflação que reajusta a maioria dos contratos, acumulava alta de 10,69% em novembro, os dados de dezembro ainda não foram divulgados. Com isso, já é possível saber que vai custar mais para morar em 2016.

O IPTU também vai ficar mais caro em boa parte das cidades brasileiras.

EDUCAÇÃO

As instituições de ensino particulares já vão cobrar mais caras as matrículas e mensalidades a partir deste mês. Em quase todo o País, os reajustes vão ficar entre 10% e 15%.

Alguns Sindicatos dos Estabelecimentos de Ensinos justificam que mais de 40% do valor das mensalidades são impostos. Eles recomendam que para que as pessoas tentem negociar, caso o reajuste não caiba no bolso.

Leia também:  Comércio varejista tem queda de 0,9% em outubro

Além disso, quem tem filho pequeno vai precisar se preparar para outra despesa, o material escolar. Segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (Abfiae), os preços desses produtos estão, em média, 10% mais altos do que em 2015.

A orientação para os pais é que pesquisem antes e optem por itens mais simples, muitas vezes contrariando o desejo das crianças. Não deixar os filhos escolherem tudo nessas horas pode significar economia.

ELETRÔNICOS

Os aparelhos eletrônicos também tendem a começar 2016 mais caros com a proposta aprovada já no primeiro dia do ano que suspende a isenção da PIS/Pasep e da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) para computadores, smartphones, notebooks, tablets, modens e roteadores.

Leia também:  Greve no Detran faz emplacamentos caírem em MT

BEBIDAS

A incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre bebidas quentes, como vinho e destilados também teve um aumento.

A partir de agora será cobrado um valor percentual sobre o preço de whisky, vinho, vodca e cachaça já na saída da indústria. As alíquotas vão variar de 10% a 30%, dependendo do tipo de bebida. Esses repasses tendem a chegar em breve ao bolso dos consumidores.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.