Rondonópolis (MT) registrou um pequeno aumento nas vendas de motocicletas no ano de 2015 em comparação com 2014. “O consórcio foi o principal atrativo para o aumento nas vendas” explicou o gerente comercial do ramo de vendas de motocicletas, Rogério Bettio.

Outro fator que colaborou com o aumento, foi a economia que o veículo apresenta se comparado com um carro, por exemplo. “Diante da crise econômica a moto acaba sendo uma válvula de escape para as pessoas, já que é mais econômica” acrescenta o gerente.

Rogério ainda disse que as expectativas para 2016 são as melhores, posto que, com o aumento no preço da gasolina muitas pessoas estão se planejando para adquirir o veículo.

Leia também:  Borracheiro é atacado com mais de 10 tesouradas

Outro setor que também registrou aumento foi o de serviço e manutenção, que registrou um aumento de 20% em 2015 em relação com 2014. “Muitas pessoas que estavam com a moto encostada em casa resolveram tirá-la da garagem. E é ai que entra o serviço de manutenção, sem contar que as pessoas que já possuem moto, mesmo que seja mais antiga, preferem fazer a manutenção do que adquirir uma nova” relata.

BRASIL

Já o mercado brasileiro de motocicletas encerrou 2015 com a venda de 1,27 milhão de unidades, queda de 11% em relação ao patamar do ano anterior, informou a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), com base nos emplacamentos registrados no período.

Leia também:  Famílias da Gleba Rio Vermelho são contempladas com títulos de propriedade

As vendas de motocicletas para as concessionárias em 2015, também caíram. No total foram 1,18 milhão de motocicletas vendidas, um recuo de 16,8% em comparação com 2014. No último mês do ano, 69,2 mil unidades foram comercializadas, retração de 1,8% em relação a novembro e tombo de 39,3% ante dezembro de 2014.

Especialistas afirmam que a redução da demanda por motocicletas, tanto no varejo quanto no atacado, resultou em retração da produção.

No ano passado, as fábricas produziram 1,26 milhão de unidades, declínio de 16,8% sobre o ano anterior.

Para 2016, a Abraciclo prevê leve melhora nas vendas no varejo, de 0,5%. No atacado, o crescimento deverá ser maior, de 2,5%, com ampliação da produção no mesmo ritmo.

Leia também:  Mais de 55% dos brasileiros não possuem investimentos, aponta pesquisa

A associação também estima que as exportações devem avançar 8,5% em relação ao ano passado.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.