A Lei das Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e do Microempreendedor Individual de Mato Grosso, encaminhada para apreciação da Assembleia Legislativa, beneficiará os setores do comércio e serviço, indústria e agricultura familiar. Além de desburocratizar a participação dessas categorias empresariais nas compras públicas, o estatuto prevê ações de apoio ao crédito, qualificação na gestão de negócios e profissionalização de mão de obra.

“O projeto de lei, encaminhado pelo Governo do Estado à Assembleia Legislativa, visa estimular a geração de emprego e renda nos municípios, de maneira regionalizada. As políticas públicas traçadas pelo Executivo vão levar em consideração as vocações e potencialidades regionalizadas”, afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico Seneri Paludo.

Com relação às compras públicas, todas as licitações de até R$ 80 mil serão destinadas, primeiramente, às micro e pequenas empresas, respeitadas as especificidades necessárias do produto ou serviço a ser adquirido. Vale lembrar que antes o direcionamento era apenas facultativo.

Leia também:  Temer diz que se não tiver votos, reforma da Previdência ficará para fevereiro

Ainda dentro das licitações, essas empresas terão tratamento diferenciado nas aquisições por menor preço. Na modalidade de concorrência, os micro empreendimentos ganharão o certame quando apresentarem valor até 10% maior em relação às demais categorias empresariais. Já para a modalidade pregão a diferença pode ser de até 5%.

Todo o trabalho a ser desenvolvido para fomentar a micro e a pequena empresa e o microempreendedor individual terá o apoio do Fórum Estadual Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Fempe), a ser criado com o objetivo de orientar, apoiar e assessorar a formulação, a articulação e a proposição das políticas públicas de desenvolvimento dos pequenos negócios do Estado.

O Fempe também vai estimular a criação de fóruns municipais para sincronizar as demandas locais com as ações a serem realizadas pelo Governo do Estado, que nessa linha de atuação, por meio da Sedec, já vem trabalhando na reestruturação dos Centros de Atendimento Empresariais (CAEs) e implantação de novas unidades.

Leia também:  Produtores recorrem à AL por mudanças na Lei do Susaf

Os CAEs são os suportes locais ao empreendedor, onde ele pode tirar dúvidas, obter informações sobre elaboração de projetos, obtenção de crédito, cursos e estar a par das novidades do setor.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.