Para 2016, o Banco da Amazônia tem previsto para o Mato Grosso investimentos na ordem de R$ 469,06 milhões, sendo R$ 354,00 milhões da carteira de fomento (BNDES e Recursos Próprios) e R$ 115,06 milhões da carteira de crédito comercial do banco, recursos esses que atenderão empreendimentos de todas as regiões do Estado.

O cenário de oportunidades de investimento no Estado do Mato Grosso para os próximos anos sinaliza para a execução de projetos que contemplam diversas áreas estratégicas da economia e sociedade local, os quais estão definidos nos planos de governo para serem implementados através da administração pública estadual a partir do exercício de 2016.

Entre os projetos sustentáveis prioritários para o Estado de Mato Grosso estão as implantações de: Cadeia Produtiva do Leite: Sombreamento das pastagens para bem estar animal; Integração lavoura, pecuária e floresta; Aproveitamento de resíduos sólidos; Recuperação e formação de pastagens; Infraestrutura e Instalações, Programa de desenvolvimento da cadeia produtiva da seringueira, Programa de desenvolvimento da cadeia produtiva da FLV (frutas, legumes e verduras), Programa de desenvolvimento da cadeia produtiva do frango tipo caipira, Programa de desenvolvimento da cadeia produtiva da ovinocaprinocultura, Turismo de Aventura, Ecoturismo e Turismo de Contemplação, Turismo de Pesca, Turismo Cultural, Turismo Rural, Turismo de Negócios e Tecnológicos, Turismo de Eventos, Cultura: Fortalecimento da Economia Criativa, Atividade florestal de produtos florestais não madeireiros, Cana-De-Açúcar: produtos e subprodutos, Florestas Plantadas e Sistemas Agrossilvipastoris, Infraestrutura: Aquisição de equipamentos, máquinas e instalações.

Leia também:  Confira as vagas de emprego desta segunda (11/09/17) em Rondonópolis

No que concerne aos investimentos e realização de negócios sustentáveis nas mesorregiões e microrregiões as oportunidades englobam, por exemplo, desde a piscicultura, turismo, atividade florestal, passando pelo manejo florestal e o reflorestamento, até a pecuária, agricultura entre tantas outras.

Quanto aos Arranjos Produtivos Locais, o Banco da Amazônia selecionou, dentre outros APLs, investir em Florestas Plantadas e Nativas e Sistemas Agrossilvipastori, beneficiamento e comercialização do mel e os outros produtos do apiário – própolis, pólen, etc. Produção e industrialização, produtos extrativistas não madeireiros: Cumbaru, Castanha do Brasil, produtos para fins fitoterápicos, entre outros e o turismo.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.