Psicólogo Flávio Melo RibeiroO sonho é o desejo de que algo se realize. Planejamento é o delineamento de como alcançar esse desejo e concretizar a realização. Isso explica porque a maior parte das pessoas não realiza os sonhos idealizados no réveillon. Leia o artigo da semana passada, “Os otimistas do ano novo” no blog www.flaviomeloribeiro.com.br. A maior parte das pessoas não ultrapassa o sonho para o planejamento e, não o escrevendo, a possibilidade de fracasso é enorme.

Todo planejamento se inicia com o desejo de realização de algo, de a pessoa alcançar no futuro o que ela idealizou. Inicialmente se escolhe um objetivo que, uma vez atingido, alcance o sonho. Mas como chegar no objetivo? Desdobrando-o em metas e ações necessárias e suficientes para alcançá-lo. Alguns cuidados precisam ser tomados: as metas precisam ser quantificadas, preferencialmente em tarefa e tempo. Por exemplo, ler vinte livros em seis meses. Quantifica-se a meta em pelo menos dois indicadores para poder acompanhar e avaliar se está indo na direção do objetivo e se o que está sendo feito é suficiente. Uma vez avaliado, pode-se corrigir o que for preciso. Outro cuidado: as ações precisam ser muito bem definidas, com responsável, calendário, metodologia e recursos necessários para realização da mesma.

Leia também:  Administrar é chegar antes

Mas esses cuidados são tomados? Geralmente não. Comumente as pessoas têm boa vontade, até prometem que vão cumprir o que desejam, mas pouco fazem para manter o foco. O ano passa e novamente, às vésperas do ano novo, fazem nova reflexão de como foi o ano, fazem críticas do que não fizeram, mal se lembram das promessas do ano anterior e, novamente, listam os novos desejos. Essa é a grande diferença entre as pessoas que fazem e as que constroem. Ambas podem ter boa vontade e trabalhar muito, mas as que apenas fazem não mantêm o foco, não distinguem o que é importante do que é urgente, vivem “apagando incêndios” em vez de planejarem para não ter retrabalho e conseguir o máximo de eficiência nos seus projetos. Mas não é apenas a capacidade de montar um planejamento, ou mesmo de visão do querem, que distingue alguém que constrói de alguém que faz. É uma diferença de personalidade. Mas essa personalidade pode ser aprendida. Procure ajuda caso você queira compreender mais.

Leia também:  É preciso ter coragem para ser você

Por Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.