Juri sobre o caso do Anthony de Castro .Foto: Varlei Cordova/AGORA MT
Juri sobre o caso do Anthony – Foto: Varlei Cordova/AGORA MT

O julgamento dos irmãos Paulo Sérgio Melo Machado, 26 anos, e Kaio Cesar Melo da Silva, 22 anos, que começou na manhã desta terça-feira (16), no Tribunal do Júri em Rondonópolis, deve terminar durante a madrugada. A família espera que os réus peguem a condenação máxima.

Em entrevista ao site AGORA MT, a irmã da vítima, Daniele Garcia, disse que relembrar todos esses fatos, principalmente com a crueldade que ocorreu o crime, é muito difícil para a família, mas necessária para que haja justiça.

Daniele Garcia .Foto: Varlei Cordova/AGORA MT
Daniele Garcia, irmã da vítima – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Ela ainda afirmou que ficar frente a frente com os réus é ainda mais difícil, pois dá pra ver que não há arrependimento, enquanto a família está acabada. “Meu irmão namorava há poucos meses com a menina e quando recebeu as ameaças quis resolver pacificamente, conversando com o réu, mas mesmo assim não tiveram pena ao executá-lo. Ele era muito inocente, e de inicio acreditou que se tratava de um assalto, por isso não reagiu, nem para salvar a própria vida” disse.

Leia também:  Caminhoneiro é preso por tentativa de homicídio em posto de gasolina na BR-163

O CRIME

.O crime ocorreu no dia 25 de setembro de 2014, por volta das 21h e tirou a vida do jovem Anthony Igor de Castro Garcia, com 29 anos na época.

Segundo consta nos autos, a vítima estaria namorando a ex-mulher de Paulo Sérgio. Inconformado e com ciúmes, Paulo já teria feito ameaças por mensagens de texto e fotos, inclusive dizendo que iria matar a vítima com um tiro no meio da testa.

Ainda segundos os autos, no dia dos fatos, no período da manhã, o denunciado Paulo Sérgio forneceu a arma para o adolescente G. B. T. executar a vítima e determinou que seu irmão, o denunciado Kaio, conduzisse o adolescente até o local dos fatos. Para ficarem impunes, os denunciados premeditaram o crime de homicídio, simularam e forjaram um crime patrimonial.

Leia também:  Depois de matar a mulher, homem liga para vendedor buscar móveis comprados à prazo em MT
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.