Reprodução R7
Reprodução R7

Um menino de cinco anos foi internado na Santa Casa de Campo Grande (MS) na noite desta terça-feira (23), após visita do Conselho Tutelar.

Segundo a polícia, os tios-avós confessaram o crime e disseram que utilizavam a criança em rituais de magia negra, para obter prosperidade.

A suspeita é que o garoto — hospitalizado com dilatação e inchaço no abdome e na região escrotal e queimaduras na face — tenha sido vítima de maus tratos, praticados pelos tios-avós.

Reprodução R7
Reprodução R7

O menino morava com os tios-avós em Campo Grande havia dez meses, após ser abandonado pela mãe e ser deixado pela avó, que cuidava dele, mas alegou falta de condições financeiras. Com isso, os tios-avós, seus parentes mais próximos, conseguiram a guarda.

Leia também:  Armas, centenas de munições e 4 t de droga é apreendida em caminhão de carga no PR

As polícias Militar e Civil passaram a acompanhar o caso depois que o Conselho Tutelar visitou a casa onde a criança morava com os tios-avós e as duas filhas do casal. Lá, observaram as agressões – parte delas já cicatrizadas, o que indicaria que a violência é praticada há um tempo.

A criança foi levada para a Santa Casa e o casal, para a delegacia, onde, segundo a polícia, confessou o crime.

Em depoimento, a tia contou que recebia “entidades” e “espíritos” e que batia na criança a mando deles. Entre as agressões cometidas estavam queimaduras com água quente no rosto, orelhas e pescoço e socos e pancadas.

As duas filhas do casal não sofriam maus tratos.

Reprodução R7
Reprodução R7

Em nota, a Santa Casa de Campo Grande informou que a criança está consciente e será submetida a um procedimento para “drenagem cirúrgica de abscesso extenso na orelha esquerda”.

Leia também:  Policial inconformado com fim de relacionamento agride ex-namorada no meio da rua

O hospital também confirmou “sinais de comprometimento visual” e “extensa queimadura em face e pescoço.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.