A amante do ex-vocalista do grupo Temperos do Samba, Paulo César de Mattos Pego, entrou em contato com o site AGORA MT para se defender das acusações feitas a ela após a tentativa de homicídio ocorrida em um motel em Pedra Preta na noite deste domingo (31).

A técnica de enfermagem, 32 anos, negou que tivesse algum relacionamento amoroso com o autor do crime. “Nunca tive nenhum envolvimento com ele, a gente trabalhou junto em uma empresa, mas há cerca de duas a três semanas, ele foi mandado embora,” declarou a mulher.

Ela acredita que a tentativa de homicídio teria sido motivada pela demissão do suspeito e descartou crime passional. “Ele não aceitou ser demitido, quando fui entregar os documentos para ele, o exame demissional, ele não quis pegar. Mas não foi só ele que foi mandado embora nesse dia, outras pessoas também foram demitidas” explicou a técnica em enfermagem.

Leia também:  Moradores fazem manifestação após grávida ser atropelada por ônibus e perder o bebê

A mulher conta que o suspeito trabalhava no local há mais de um ano, mas que faltava muito ao local de trabalho e que o único contato entre eles, era na enfermaria.

A amante de Paulo, contou que no dia do crime, os dois estavam no motel quando o suspeito entrou pela porta da frente.

“Quando eu o vi, tampei o rosto com o travesseiro e pensei que ia morrer, o Paulo levantou foi quando o haitiano atirou. Quando percebi que ele não estava mais no local, levantei e fui dar assistência para o Paulo que estava caído no chão. Foi quando ele tentou entrar pela porta do fundo dizendo que ia me matar, e logo veio para cima de mim. Eu tentei segurá-lo, mas ele era muito grande, foi quando o pessoal do motel chegou,” contou a mulher.

Leia também:  Advogado é preso em MT com 91 máquinas de cartão que seriam levadas para SP e RJ

A técnica de enfermagem disse que não conhece outro motivo que possa ter ocasionado o crime. “Ele nunca deu em cima de mim, nunca me chamou para sair, única coisa que fazia era entrar na minha sala para entregar atestado. Não tinha nenhum envolvimento com ele. Creio que ele surtou após ser mandado embora. Infelizmente eu e o Paulo estávamos no lugar errado, na hora errada e fazendo coisa errada,” disse a mulher.

Devido ao crime, a técnica em enfermagem disse está com medo de ser morta. “Eu vivendo ‘presa’, com medo, porque ele disse antes de fugir que ia me matar depois,” finalizou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.