Duas pessoas foram presas nesta terça-feira (23) no Rio suspeitas de integrar uma quadrilha que aplicava o chamado golpe do falso sequestro. O grupo, que segundo a Polícia Civil era chefiado por um presidiário, foi descoberto ao tentar fazer mais uma vítima. Os criminosos só não contavam que a vítima era o chefe de operação da Delegacia Anti-Sequestro (DAS) do Rio de Janeiro.

Reprodução
Reprodução

De acordo com a Polícia Civil, o agente da DAS recebeu uma ligação informando que seu filho havia sido sequestrado. Ele começou a negociar com os criminosos, enquanto comunicou a outros policiais que estavam com ele.

O policial combinou o pagamento de R$ 4,3 mil pelo suposto resgate do filho e marcou com o criminoso de entregar o dinheiro no Mercado São Sebastião, na Penha, Zona Norte do Rio. Chegando no local, os policiais prenderam Luiz Carlos Teixeira de Souza Júnior, de 19 anos, que foi incumbido de receber o dinheiro.

Leia também:  Jovem é morta a facadas pelo ex após mudar de cidade por conta de agressões

Depois da prisão de Luiz, o agente da DAS informou ao criminoso com quem negociava que ninguém apareceu no ponto de encontro para receber o pagamento. Foi combinado, então, um segundo ponto de encontro, desta vez na Praça 13 de Julho, em Cordovil. Lá, foi presa Doralice Souza de Araújo, de 32 anos.

Segundo a polícia, os dois presos confessaram o crime e delataram quem os comandava. Tratava-se Maciel Marinho de Queiroz, de 35 anos. Condenado a 27 anos de prisão por roubo de carga, ele cumpre pena no Presídio Milton Dias Moreira, em Japeri.

Em novo contato telefônico, o agente da DAS se identificou a Maciel, revelando ser ele a pretensa vítima do golpe.

Leia também:  Avião cai e mata 5 pilotos que participavam de evento em comemoração ao dia do aviador

No presídio, os policiais encontraram com Maciel dois aparelhos celulares e seis chips de operadoras distintas. Com Luiz e Doralice também foram apreendidos um aparelho celular de cada.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.