Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Você já deve ter visto nos supermercados diferentes tipos de açúcares. Hoje, vou explicar de uma maneira bem fácil as diferenças entre eles, para que você tenha condições de escolher o que considera melhor para consumir e para a sua saúde.

O açúcar mascavo e o açúcar orgânico são bem parecidos. Ambos são mais escuros e não passam por nenhum processo de refinamento. Comparados aos demais, eles têm cálcio, ferro e outros minerais em maior quantidade, assim como vitaminas. A principal diferença entre eles é o processo de plantio da cana. No orgânico, por exemplo, é proibido o uso de produtos químicos, como agrotóxicos.
Já o cristal, muito utilizado em preparações culinárias, passa por um processo de refinamento menos intenso que o branco e a maior parte de suas vitaminas e minerais são perdidas neste processo.
O açúcar demerara  fica entre o mascavo e o branco. Seu processo de refinamento é leve e grande parte das vitaminas e minerais são preservados. O ponto negativo é que ele não dissolve tão fácil como o açúcar branco.
E o açúcar branco (ou refinado), o mais comum em nossas cozinhas? Bem, a re nação dele é mais intensa e, por isso, acaba perdendo quase todas as vitaminas e minerais. Além disso, acrescenta-se enxofre para que  que bem branquinho.
O açúcar light, por sua vez, nada mais é do que uma mistura do açúcar branco com algum tipo de adoçante.
Agora, tenho uma novidade para você: o açúcar de coco! Ele está chegando ao mercado brasileiro e vem com tudo. Mas não crie expectativas em relação às calorias, tá? Ele é tão calórico como qualquer outro tipo de açúcar. A grande vantagem dele são os benefícios: é rico em  fibras, vitaminas e minerais, e possui uma absorção lenta. Aí você me pergunta: “Isso é bom?” Eu respondo: sim, pois ele não eleva sua glicose como os demais, o corpo não precisa produzir tanta insulina e até os diabéticos podem consumi-lo. E mais: seu poder de adoçar é o mesmo do branco. Posso dizer, portanto, que é mais saudável, já que seus nutrientes são preservados e sua absorção não exige o “trabalho pesado” dos outros tipos.
Como eu disse lá no começo, agora você já tem condições de escolher o melhor tipo. Lembrando, claro, que independentemente da sua escolha, o consumo deve ser feito sempre com moderação. Boa semana!
Advertisements
Leia também:  O que aprender com os erros na alimentação

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.