Por José Medeiros (*)

Sim sim, não não!

Durante os minutos que se passaram entre a concretização das interceptações telefônicas que flagraram a Presidente da República, o Ministro da Casa Civil e demais autoridades em conversas não republicanas com pessoas que são investigadas na operação Lava-Jato, penso que todos os agentes públicos que participaram do episódio, em um dado momento, buscaram respostas para as seguintes perguntas:

– Nós, Policiais Federais,  devemos suspender imediatamente as diligências e informar ao Ministro da Justiça?

– Nós, Procuradores da República, devemos pedir o sigilo imediato das interceptações e enviar aos documentos ao conhecimento do Procurador Geral da República?

– Eu, Magistrado, devo suspender toda a investigação e remeter os autos para o Supremo Tribunal Federal?

Leia também:  As crianças e a Mãe de Jesus

– O que fazer? Como proceder? Qual seria a melhor solução?

Tenho conhecimento de que há quase uma dezena de princípios jurídicos a favor e contra os atos que foram praticados pelos servidores públicos que atuaram e atuam nos processos em questão.

De pronto digo, Vossas Senhorias, honoráveis servidores públicos, agiram com correção!

Não há nada de segredo de Estado ou que ameace a Segurança Nacional nas informações divulgadas.

Simplesmente se desmascarou o que todos desconfiavam, o atual Governo usa e abusa de todas as armas legais e ilegais para impedir que os atos praticados pelos seus companheiros sejam investigados de forma legal e legítima.

Os palavrões, verdadeiros impropérios, que uma família normal não aceitaria que os seus filhos ouvissem, demonstram que todos os limites foram ultrapassados pelos atuais governantes do Brasil.

Leia também:  Não se aposente da vida

E, retornando a questão, os servidores públicos, diante das estarrecedoras palavras registradas nas interceptações telefônicas, agiram em estrito respeito a Constituição, pois asseguraram “a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna”, conforme consta do Preâmbulo da Carga Magna.

A garantia do indivíduo ao devido processo legal não lhe autoriza a utilizar das prerrogativas intrínsecas ao cargo que exerce para prejudicar ou obstar o processo investigatório.

Transformar o Palácio do Planalto em um bunker para proteger os seus aliados e atacar todos os demais não é uma garantia constitucional.

Registro, novamente, Vossas Senhorias, honoráveis servidores públicos, fizeram o correto, obedeceram  vossas consciências, cumpriram a Constituição, pois o certo é o certo, o errado é o errado, o sim é o sim e o não é o não!

Leia também:  Da soberba vem a vergonha

 

(*) José Medeiros é professor, policial rodoviário federal e senador da República pelo estado de Mato Grosso.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.