Todo leite passa por um processo até chegar aqui - Foto : Ronaldo Teixeira / AGORAMT
Leite pasteurizado no Banco de Leite em Rondonópolis – Foto : Ronaldo Teixeira / AGORAMT

Uma pesquisa inédita divulgada pela Organização Pan-Americana de Saúde na última quarta-feira (2) revelou que as brasileiras são as que mais doam leite materno no mundo. O país foi reconhecido como referência em aleitamento materno. Apesar disso, em Rondonópolis, ainda são necessárias mais doadoras no Banco de leite de Rondonópolis (BLH Roo) para atender a demanda.

Leite materno Santa Casa de Rondonópolis
Farmacêutica Scheila Santos – Foto: Ronaldo Teixeira / AGORA MT

De acordo com a farmacêutica bioquímica, Scheila Santos, atualmente são necessárias pelos menos 70 mães doadoras para ser o banco de leite ser autossuficiente e garantir melhores resultados à recuperação dos bebês prematuros internados na UTI da Santa Casa.

Apesar disto, ela é positiva e acredita que aos poucos a cultura da doação será inserida em Rondonópolis. “O banco de leite existe há três anos e conseguimos atender 50 a 60% da demanda. Em Brasília, são 35 anos de criação e eles conseguem atender todos os bebês que estão na UTI” informou a farmacêutica.

Leia também:  Transtornos alimentares veja o percentual nos últimos anos

A empresária Carla Daiany, mãe do pequeno Gabriel Henrique, 3 anos, conseguiu doar leite por mais de um ano. A 1ª doação ocorreu em 17 de junho de 2013 e a última 20 de agosto de 2014. “Foi um período tranquilo, não tenho do que reclamar, além de fazer o bem doando o leite materno, acaba estimulando a amamentação. Nunca faltou leite para o meu filho e ele é saudável,” informou a mãe.

Foto: Arquivo Pessoal
Carla Daiany amamentou por cerca de um ano – Foto: Arquivo Pessoal

Carla ficou sabendo da doação ainda na maternidade e aconselha que é preciso que as mamães se coloquem na situação das outras que ainda não tiveram como amamentar seus filhos. “Muitas pessoas não sabem o quanto essas mamães precisam. As mães estão naquela carência, vê a criança que nasceu, não pôde amamentar e levar para casa,” disse a empresária.

Leia também:  Primeiros resultados de uma campanha de vacinação contra a dengue

Apesar de histórias como a de Carla que doou por cerca de um ano, a maioria das doações são feitas por um curto período. “Algumas mães retornam ao trabalho após seis meses e por isso, acabam inserido outros alimentos,” disse a farmacêutica.

O Banco de Leite ainda orienta mamães na amamentação dos recém-nascidos. “Aqui nós também ajudamos as mamães a amamentarem, promovemos o aleitamento materno que é o mais importante,” destacou Scheila.

Doação de leite materno pode salvar a vida de muitos bebês - Foto: Ronaldo Teixeira / AGORAMT
Mãe de gêmeos, Gracieli é orientada em como amamentar os prematuros – Foto: Ronaldo Teixeira / AGORAMT

Gracieli Cardoso, 21 anos, é mãe dos gêmeos prematuros Arthur Vinicius e João Guilherme, nascidos há 15 dias. Ela ainda não conseguiu amamentar os filhos e esteve no banco de leite para ser orientada pelas profissionais na amamentação. “Eu acho importante esse ato da doação, é importante que a criança receba o leite materno, é mais saudável, se houver a possibilidade, ainda quero doar,” disse a mãe.

Leia também:  Já parou para pensar como anda sua saúde mental?

Vale dizer que para doar, as mães não precisam ir ao banco de leite para doar. Uma equipe do Corpo de Bombeiros desloca até a residência da mãe com um kit e ensina como realizar a coleta.  Posteriormente, buscam as doações e levam para o Banco de Leite. As formas corretas para doar, estão no site da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humanos. 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.