O senador José Medeiros (PSD-MT) afirmou nesta segunda-feira (28.03) que, se a presidente Dilma Rousseff não for afastada do cargo, a situação econômica do país vai piorar “muito mais”. “A cada momento, nós sentimos que ele vai com força em direção ao abismo. O buraco da crise econômica já está fundo e, se esse governo não terminar, vai ficar mais fundo ainda”, frisou.

Em pronunciamento, José Medeiros destacou manchete do jornal Correio Braziliense, sob a título “Plano para salvar Dilma ultrapassa R$ 50 bilhões”. Segundo a reportagem, o governo esta abrindo o cofre para barrar o processo de impeachment e evitar que a saída do PMDB cause debandada de aliados. “Se for confirmado esse tipo de negociata, estaremos diante de um novo mensalão”, destacou.

Leia também:  Grupo defende permanência de Juary na liderança do prefeito

O senador mato-grossense, da tribuna,  elogiou a equipe de servidores que atua na operação Lava-jato, especialmente os que participaram da coleta e divulgação do áudio de conversas telefônicas da presidente da República, Dilma Rousseff, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo José Medeiros, a decisão foi acertada e serviu para desmascarar o que precisava ser do conhecimento de todos: a de que a nomeação de Lula para ser ministro-chefe da Casa Civil era uma manobra para conferir ao ex-presidente o foro privilegiado.

“A garantia do indivíduo ao devido processo legal não lhe autoriza a utilizar das prerrogativas intrínsecas ao cargo que exerce para prejudicar ou obstar o processo investigatório. Transformar o Palácio do Planalto em um bunker para proteger os seus aliados e atacar todos os demais não é uma garantia constitucional”, afirmou.

Leia também:  Vereadores de Costa Rica participam de evento nacional

Caminho errado – Ao final do pronunciamento, o senador fez uma reflexão sobre o governo Dilma. “Eu acho que na vida só uma coisa é pior do que estar no caminho errado: é estar no caminho errado achando que está no caminho certo. E é o que esse governo está fazendo. O Congresso e toda sociedade organizada precisam, neste momento, unir-se contra esses argumentos. Encerro com a frase do Barão de Itararé, que dizia: ‘o último recurso dos canalhas é o patriotismo’”, destacou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.