Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A Justiça bloqueou os bens do ex-prefeito de Aripuanã, Carlos Roberto Torremocha e do auxiliar de escritório, Valdecir Zorsi, no montante de R$ 490 mil. Os dois são acusados de causar danos ao erário de cerca de R$ 163 mil durante uma transação comercial de compra e venda de um imóvel na zona rural denominado “Gleba Aripuanã”.

Segundo o promotor de Justiça Matheus Pavão de Oliveira, em março de 2010 Valdecir Zorsi adquiriu uma área de 45,5011 has (quarenta e cinco hectares, cinquenta ares e onze centiares). Na ocasião ele pagou pelo bem o valor de R$ 34,125 mil, ou seja, R$749,98 o hectare. Na época o imóvel possuía apenas uma casa e um curral como benfeitorias.

Leia também:  Estado aumenta valor dos repasses para fundos municipais de Saúde

Passado um mês da negociação, em abril de 2010, o município de Aripuanã por meio de seu então prefeito, Carlos Torremocha, manifestou interesse na aquisição do imóvel rural sob justificativa de precisar de apenas 21 hectares, inclusive uma Lei municipal foi editada autorizando a aquisição de parte do imóvel. A compra teria como objetivo a implantação de projeto experimental na área de agricultura a ser desenvolvido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico.

Ocorre que o hectare, que até então havia sido negociado por Valdecir pelo valor de R$749,98, passou a ter o valor reajustado para R$ 4,3 mil, quase seis vezes mais caro que o preço negociado anteriormente pelo antigo proprietário do imóvel. O pagamento do foi feito de forma parcelada pelo município no valor de R$195 mil. “Muito embora o imóvel rural tenha sido adquirido por valor muito superior ao de mercado, jamais foi utilizado pela administração pública, porquanto sequer foi incluído no plano plurianual”, explicou o promotor.

Leia também:  Em Mato Grosso, órgãos só voltam a funcionar na próxima segunda-feira (19)

Diante dos fatos a Justiça concluiu que “o Município de Aripuanã foi lesado não apenas pela aquisição de um imóvel por valor superior ao de mercado, mas, sobretudo, pela aquisição de um imóvel imprestável e inútil à coletividade. Isso porque o ex-Prefeito Municipal, Carlos Roberto Torremocha nunca deu nenhuma destinação ao local.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.