Com o Hino Nacional cantado em coro, foi encerrada em Brasília a manifestação em apoio ao combate à corrupção e a favor do impeachment da presidenta Dilma Rousseff, realizada na Esplanada dos Ministérios. Ao final do hino, os manifestantes gritaram “Fora, PT”.

Segundo a Polícia Militar, 100 mil pessoas participaram da manifestação. Não houve ocorrência de atos violentos, segundo a PM, apenas registro de extravio de documentos e atendimento de pessoas com mal-estar. O percurso dos manifestantes começou no Museu da República e foi até o Congresso Nacional, em um total de dois quilômetros.
Para o estudante Douglas Santana, de 20 anos, o movimento é histórico para o país. “Pedimos fora ao PT porque é perceptível que o país não está estável. Realmente precisa mudar e esse é o partido que está no poder”. Segundo o estudante, o ato deve ser mantido também contra outros políticos, de outros partidos, sob investigação pela Polícia Federal.

Vários manifestantes vestem camisas com a foto do juiz Sérgio Moro e usam adesivos em apoio ao juiz que comanda o processo de julgamento dos crimes relativos à corrupção em contratos da Petrobras, investigados no âmbito da Operação Lava Jato, pela Polícia Federal.
Em meio ao povo, estava o senador Álvaro Dias (PV-PR), que não falou aos manifestantes publicamente. Ele, no entanto, conversou individualmente com alguns manifestantes e parou para tirar fotos. Dias migrou do PSDB para o PV no início de janeiro, após vários meses de negociação. Também participou do ato em Brasília o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Vestido com uma camiseta com a frase “Direita Já”!, o parlamentar tirou selfies com o público.

Leia também:  Morador recebe visita inesperada de onça em seu quintal no DF

Neste momento, as pessoas estão se dispersando, a maioria em direção à Rodoviária do Plano Piloto, terminal de ônibus na área central de Brasília.

As pessoas começaram a se concentrar perto do Museu da República ainda às 9h. Entre o público, havia várias famílias. A maioria das pessoas estava vestida de camiseta verde e amarela. Em frente ao Congresso Nacional, alguns manifestantes fizeram uma moldura com o próprio corpo para escrever a frase “Fora, Dilma”. Em vários momentos, os manifestantes fizeram uma ola em defesa da “limpeza”, que defende a saída de políticos corruptos. Nominalmente, eles citaram o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e de Dilma.

Desempregada desde outubro, Roberta Born, de 34 anos, fez parte de vários movimentos que já acamparam no gramado do Congresso, disse acreditar que o Brasil está sofrendo com o governo atual. Para ela, o governo é uma “facção criminosa”. Vinda de Porto Alegre, Roberta se considera de direita e afirmou que só volta para sua cidade quando a presidenta Dilma sair da Presidência.

Para o servidor público, da Justiça Federal, Fábio Freitas, de 51 anos, a corrupção começou no país em 1500, desde o descobrimento do Brasil. “Sou um dos milhares de brasileiros indignados com a corrupção”, disse. Ele, entretanto, afirmou que a corrupção não é privilégio de apenas um partido. “O Brasil precisa se reinventar. O que se está pedindo não é solução. O necessário seria convocar uma nova Constituinte”.

Leia também:  Justiça condena Volks a pagar mais de R$ 1 bilhão a donos de Amarok no Brasil

Cerca de 2 mil policiais foram destacados para garantir a segurança nas ruas de Brasília, neste domingo.
Em todo o país, foram programadas manifestações a favor do impeachment da presidenta Dilma em 503 cidades, segundo o movimento Vem pra Rua. Em algumas cidades, a Central Única dos Trabalhadores e movimentos mantiveram a realização de manifestações pró-governo e pró-Lula, tais como Fortaleza, Rio de Janeiro e Porto Alegre. A CUT convocou suas seccionais para uma manifestação a favor da democracia para a próxima sexta-feira, dia 18. No DF, o PT convocou nova manifestação para o dia 31 de março.

Em Brasília, a manifestação do PT anteriormente prevista para ocorrer na Torre de TV, também neste domingo, pela manhã, foi cancelada pelo partido. Em nota, o presidente do PT no Distrito Federal, Roberto Policarpo, informou que a decisão foi tomada na noite de sexta (11), após reunião com integrantes da Secretaria de Segurança Pública. A secretaria havia recomendado ao partido que fizesse o ato em outro local porque havia um ponto de acesso em comum com a manifestação contra o governo, realizada na Esplanada dos Ministérios. A Rodoviária do Plano Piloto, na área central da cidade, dá acesso aos dois locais, embora estejam de lados opostos da avenida que corta a Esplanada, o Eixo Monumental.
No Rio, os manifestantes percorreram a Avenida Atlântica, na orla de Copacabana, conduzidos por três carros de som. Um deles trazia uma faixa com a frase “Fora Comunismo”. O porta-voz do movimento dizia que as famílias de direita estava ali contra o PT. Uma multidão ocupou as duas vias da avenida, ao longo de cerca de oito quarteirões. Bandeiras do Brasil e muitos cartazes contra o PT, Dilma e Lula são o principal material utilizado pelos participantes.

Leia também:  Acusado de matar adolescente de 16 anos é ouvido em audiência de custódia

Centenas de policiais militares acompanham a marcha que saiu do Posto 5 por volta das 10h, em direção ao Posto 2. Não foram registrados incidentes ou confrontos até o momento. Mais cedo, um avião passou com a faixa “Não vai ter golpe – Frente Brasil Popular” e foi vaiado pelos manifestantes, com gritos de “Fora Dilma” e “Impeachment, Já”. Uma grande faixa de apoio ao juiz Sergio Moro, que coordena o processo dos crimes investigados pela Operação Lava Jato, foi carregada por manifestantes com os dizeres em inglês: “We all are Sergio Moro”, ou seja, Somos Todos Sergio Moro.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.