Lançamento do Selo de Qualidade da Carne de MT - Foto: assessoria
Lançamento do Selo de Qualidade da Carne de MT – Foto: assessoria

Estado que detém o maior rebanho bovino do Brasil, com 29,2 milhões de animais, Mato Grosso sai na frente e é o primeiro Estado a lançar um selo que atesta a qualidade da carne produzida em seu território. Lançado nesta quarta-feira (02), o selo “Carne de Mato Grosso”, é um produto do Instituto Mato-grossense da Carne (Imac), que passa a ser o sexto instituto deste segmento no mundo. Hoje esses institutos existem nos Estados Unidos, Uruguai, Argentina, Austrália e Nova Zelândia.

Segundo maior exportador nacional de carne bovina do país, com 298 milhões de toneladas equivalente carcaça (TEC) comercializadas em mais de 18 países, Mato Grosso quer ser mais do que um produtor de boi, quer ser produtor de carne com qualidade certificada.

Na solenidade realizada no Centro de Eventos do Pantanal, o governador Pedro Taques explicou que a ideia do Imac surgiu em uma viagem ao Uruguai em outubro do ano passado. Taques destacou ainda que pretende expandir o selo de qualidade para outros setores, como suínos, aves e peixes.

“Todo este trabalho de desenvolvimento do selo foi construído em quatro meses e precisamos pensá-lo além, expandindo para outras culturas, vendendo qualidade. Qualidade certificada, por meio de um sistema de rastreabilidade inovador. Temos a melhor carne do mundo e vamos conquistar mercados mundo afora”.

Leia também:  Embriaguez e velocidade apontam 80% dos acidentes de trânsito

Pedro Taques apresentou a embalagem do Imac que padroniza a carne de Mato Grosso que será exportada. A ideia é que o produto saia dos frigoríficos já na caixa, que terá espaço para que cada indústria imprima o seu nome.

O secretário adjunto de Desenvolvimento Regional, Luciano Vacari, será o presidente do Imac. Para Vacari, a data de hoje é histórica não só para Mato Grosso, mas para a pecuária brasileira. “A pecuária está presente em todos os 141 municípios de Mato Grosso. Temos o maior rebanho do país e seremos o rebanho com melhor qualidade do país, sendo reconhecidos como o Estado que leva a pecuária a sério. Com certeza, o que estamos fazendo é modelo para o mundo. Vamos ser um Estado produtor de carne e não de boi”.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Seneri Paludo, apresentou o selo “Carne de Mato Grosso”. Ele é composto por símbolos, como a bandeira de Estado em formato de código de barras, que atesta a rastreabilidade do produto. Leva ainda a estrela dourada da bandeira, que representa as riquezas do Estado, e o verde, que simboliza a produção sustentável praticada em Mato Grosso. Além disso, leva o nome do Brasil, para que seja reconhecido no mundo inteiro como um produto brasileiro, mas com destaque para o nome de Mato Grosso, além da palavra “beef”, que aponta que o produto se trata de carne bovina.

Leia também:  IPVA| inadimplentes de 2017 podem dividir os débitos em até três vezes

“Os fatores econômicos que transformaram Mato Grosso nesta liderança agropecuária não serão os mesmos fatores e ferramentas que nos guiarão nos próximos 20 a 30 anos. Precisamos pensar diferente e nada mais sensato que criarmos o Imac, que tem como símbolo o selo da carne”, destacou Paludo.

O presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), José João Bernardes, parabenizou o Governo do Estado pela iniciativa. “Nós produtores reconhecemos que com esta iniciativa a pecuária de Mato Grosso será outra. Ideias assim permitirão que o nosso negócio progrida. Vamos vender a melhor carne do mundo em sintonia com o meio ambiente, rastreada e certificada”.

O presidente do Sindicato dos Frigoríficos de Mato Grosso (Sindifrigo-MT), Luiz de Freitas, reafirmou a parceria do setor com o selo de qualidade da carne. “Recebemos esta proposta de braços abertos. De forma inédita, produtores, indústria e governo estão discutindo a cadeia produtiva e trabalhando para o seu desenvolvimento. Esta é uma conquista que criará um ambiente favorável para o nosso mercado”.

Imac – Durante o evento, o governador assinou o decreto que regulamenta o Imac, que é um Serviço Social Autônomo, de interesse coletivo e de utilidade pública e será vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec). Terá entre suas fontes de receita recursos provenientes de convênios, acordos e contratos celebrados com entidades, organizações e empresas, públicas ou privadas, contribuições de pessoas jurídicas de direito público e privado, entre outros. O Imac terá como órgãos de direção o Conselho Deliberativo, composto por cinco membros, entre representantes da indústria frigorífica, dos produtores e do Governo do Estado; a Diretoria Executiva, composta por um presidente e no mínimo dois diretores, e o Conselho Fiscal, composto por três membros.

Leia também:  Veículos de carga terão restrição de tráfego nas rodovias federais no feriado

Atribuições – Promover a carne de Mato Grosso; definir critérios para tipificação da carne; articular com entes públicos e privados nacionais e/ou internacionais o desenvolvimento de ações que promovam a carne de Mato Grosso e estudos para a melhoria da carne; realizar parcerias por meio de convênios com a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), com o objetivo de capacitar os produtores rurais da agricultura familiar; desenvolver pesquisas e tecnologias para padronização de carcaças e melhorias na qualidade da carne; promover atividades de orientação ao consumidor, baseadas em pesquisas de mercado; fomentar o desenvolvimento de produtos e a rastreabilidade da carne são algumas das atribuições do Imac.

O instituto contará também com um Sistema Eletrônico de Informação das Indústrias de Carne (SEIIC), que permitirá melhor controle sobre a produção, tanto pelos frigoríficos quanto pelos produtores, e beneficiará o consumidor, que terá garantida a segurança alimentar do produto adquirido.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.