Pinguela sobre o esgoto da Vila São Francisco - Foto: Ronaldo Teixeira / AGORAMT
Pinguela sobre o córrego Bambu- Foto: Ronaldo Teixeira / AGORAMT

O vereador Adonias Fernandes (PMDB) usou a tribuna da Câmara Municipal na tarde desta quarta-feira (23) durante a sessão para denunciar a situação que moradores têm enfrentado no Distrito Salmen, em Rondonópolis. O parlamentar revelou que a construção de duas pontes de concreto sobre o córrego Bambu está praticamente paralisada e que o perigo é eminente.

De acordo com o vereador, devido a morosidade das obras, várias pessoas que dependem de escola, centros de saúde ou para outra necessidade precisam atravessar o Córrego Bambu através de uma ‘pinguela’ construída algumas quadras acima da avenida presidente Kennedy, no Jardim Ipanema.

Nesta quarta-feira (23), segundo o vereador, uma mãe após levar a filha na escola acabou caindo enquanto tentava atravessar o córrego, ela teve ferimentos pelo corpo e precisou ser encaminhada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) ao Hospital Regional.

Leia também:  Após cirurgia na próstata Temer recebe alta e diz "Por aqui foi tudo bem"
Ligação dos bairros São Francisco com Jardim Ipanema onde à mulher caiu Foto: Ronaldo Teixeira /AGORAMT
Local onde a mulher caiu nesta quarta-feira – Foto: Ronaldo Teixeira / AGORA MT

“Os moradores do bairro acabam usando, além da pinguela, a armação de concreto que será usada para a construção da ponte, por ser mais rápido, mas o que estou cobrando é a agilidade nessas obras. Já foi feita a licitação, a empresa já está com a ordem de serviço, é preciso que faça aquela parte, principalmente da Kennedy, onde o fluxo é maior. Precisamos que a Prefeitura mande a empresa começar e conclua as construções,” disse o vereador.

Vereador Adonias Fernandes - Foto: Ronaldo Teixeira / AGORAMT
Vereador Adonias Fernandes – Foto: Ronaldo Teixeira / AGORAMT

Uma moradora da localidade que não quis se identificar disse ao site AGORA MT, que todos os dias leva os três filhos à escola e precisa passar pela pinguela. “É preciso dar uma volta para chegar até a escola, esta situação está assim a mais de um ano. Esta situação é perigosa, quando chove principalmente, porque a água transborda e pode acabar cedendo,” disse a mulher.

Leia também:  Em meio à crise nos estados, Mato Grosso consegue pagar servidores e serviços

Caso as medidas não sejam tomadas, o parlamentar garantiu que irá denunciar a realidade ao Ministério Público.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.