No início do evento Percival e Fávaro nem se olharam - Foto: AGORA MT
No início do evento Percival e Fávaro nem se olharam – Foto: AGORA MT

Mesmo em meio a polêmicas das conversas de WhatsApp do vice-governador Carlos Fávaro (PSD) com o prefeito Percival Muniz (PPS) ocorridos nos últimos dias, o convênio para o saneamento básico da cidade aconteceu normalmente nessa sexta-feira (08), porém com algumas alfinetadas.

Para manter as aparências, um foi colocado do lado do outro, Percival sentou ao lado de Fávaro, entretanto a solenidade iniciou em clima pesado, não cruzaram olhares e o vice-governador permaneceu com a ‘cara de poucos amigos’ o tempo inteiro, demonstrando que não estava contente com a situação.

Mas, Percival estava amigável com todos, até ao final da fala de Carlos Fávaro, levantou a mão, que ficou estendida por alguns segundos até que finalmente Fávaro retornou ao agradecimento.

Leia também:  Taques diz que deputados flagrados recebendo dinheiro choraram
Percival estende a mão para Carlos Fávaro - Foto: Ronaldo Teixeira/AGORAMT
Percival estende a mão para Carlos Fávaro – Foto: Ronaldo Teixeira/AGORAMT

O presidente da Câmara, Lourisvaldo Manoel (Fulô – PMDB), fez questão de dar uma ‘alfinetada’, em seu discurso agradeceu o investimento e relatou que isso mostra que a política não é mais a que foi nos anos 60, onde segundo ele deixava-se influenciar por “picuinhas”, o que impedia o avanço das cidades.

“Não podemos deixar nos influenciar por picuinhas particulares ou políticas, impedindo o avanço da cidade. Wellington sabe do que eu estou falando”, disparou Fulô.

Outra alfinetada foi dada entre os senadores em relação a Concessão da rodovia BR-364/163 que teve essa semana a suspensão da cobrança na praça de pedágio de Rondonópolis. Wellington Fagundes (PR) relatou como foi feita a entrega da BR-163/364 e que mesmo que a rodovia tenha passado para a responsabilidade da Concessionária ainda  tem que ter uma contrapartida do Governo Federal.

Leia também:  PMDB ainda espera por Ibrahim

José Medeiros mesmo após ter falado, ‘vestiu a carapuça’, sobre a fala de Fagundes e quis retornar e completar sua fala, já que ele foi um dos políticos que denunciou a situação da rodovia ao Ministério Público Federal e Estadual . “ Quero aproveitar que Wellington falou sobre a estrada e dizer que eu não quero acabar com o pedágio, eu entreguei o pedido ao Ministério Público para analisar a situação e se eles achassem ser necessário, que entrasse com um recurso contra a empresa”, se defendeu Medeiros.

Após as alfinetas e os sorrisos forçados, a solenidade terminou da melhor forma possível, todos mantiveram as aparências e seguiram seus caminhos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.