Foto: Munir Uz Zaman / AFP
Foto: Munir Uz Zaman / AFP

Vinte milhões de pobres de Bangladesh continuam bebendo água contaminada com arsênico duas décadas depois da detecção da presença da substância, afirma a ONG Human Rights Watch (HRW) em novo relatório.

“Bangladesh não está adotando os passos básicos e óbvios para retirar o arsênico da água potável de milhares de pbres nas zonas rurais”, disse à AFP o investigador da HRW Richard Pearshouse.

“A situação é quase tão ruim como há 15 anos”, lamentou.
A HRW calcula que a água contaminada mata a cada ano 43.000 pessoas, em sua maioria nas zonas rurais.

A contaminação começou nos anos 1970, quando o governo perfurou milhões de poços para proporcionar água aos habitantes de zonas rurais sem levar em consideração que estava contaminada com arsênico de maneira natural.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a contaminação da água em Bangladesh como “o caso de envenenamento em massa de população mais importante da história”.

Leia também:  Comissão Europeia entra com processo judicial contra 3 países por não acolher refugiados

A exposição crônica ao arsênico está relacionada com cânceres de fígado, bexiga e pele, assim como doenças cardíacas. A HRW recorda que muitos bengaleses não têm acesso a atendimento médico.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.