Foto: PJC
Foto: PJC

Em 24 horas da operação “Civil na Carga Máxima – fase 2” 495 pessoas foram levadas à prisão no Estado de Mato Grosso. A ação simultânea das 170 delegacias de polícia iniciou às 06 horas da manhã de terça-feira (19.04) e finalizou nas primeiras horas da madrugada desta quarta-feira (20). A primeira fase da operação ‘Civil na Carga Máxima’, realizada no dia 4 de março, foi concluída com 408 presos.

Foram presos 126 suspeitos de crimes na região metropolitana, 345 nas unidades do interior, além de 24 mandados de prisão cumpridos pela Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes. Entre os detidos estão 66 menores infratores, sendo 41 deles apreendidos na Grande Cuiabá por atos infracionais correspondentes aos crimes de roubo, tráfico de drogas e homicídio. Outros 23 menores foram apreendidos em situação de flagrante ato infracional.

Leia também:  Motociclista é perseguido, tenta fugir, mas é baleado por assaltante
Trabalho da polícia - Foto: PJC
Trabalho da polícia – Foto: PJC

Criminosos foragidos da Justiça tiveram atenção das delegacias de polícia. Foram cumpridos 207 mandados de prisão (preventiva e temporária) de pessoas já investigadas em inquéritos policiais, a exemplo, de casos de estupros contra crianças e mulheres adultas, roubos, homicídios, latrocínios e tráfico de drogas.

As demais prisões são oriundas de flagrantes ocorridos durante o cumprimento de mandados de buscas, para crimes diversos, entre eles o tráfico, embriaguez ao volante, posse e porte irregular de arma de fogo e munições.

Durante todo o dia 1.904 pessoas foram abordadas preventivamente, 593 delas conduzidas para as Delegacias a fim de averiguações. No universo, estão 701 condutores de veículos que tiveram seus documentos e veículos checados.

No campo das infrações penais, 272 termos circunstanciados de ocorrências (TCO) foram lavrados em situações como posse ou uso de drogas, conduzir carteira sem habilitação e outras. Um casal, a mulher de 36 anos e o homem de 56, foi autuado em Barra do Garças na contravenção penal de jogos de azar. Com a mulher foi apreendido uma máquina de fazer apostas e a quantia de R$ 731 e mais duas bobinas de papel para confeccionar os jogos. Com ele foram recolhidas bobinas e mais R$ 353.

Leia também:  Mulher tenta entrar em presídio de Rondonópolis com droga na calcinha

A diversidade de produtos apreendido também foi grande. Foram 68 quilos de drogas, 83 armas de fogo, 1.600 munições, R$ 91.756, em espécie, e mais R$ 294 mil bloqueados pela Justiça em investigação de estelionato. Na relação de apreensões ainda constam frascos de perfumes, facas, petrechos de pesca, material usado em tatuagem, rádios comunicadores, ferramentas de garimpo, notebook’s, computadores, balanças de precisão, serras, cachimbos, relógios, lanternas.

O delegado geral da PJC, Adriano Peralta Moraes, disse que outras operações nos mesmos moldes devem ser realizadas. “Estamos trabalhando e essas operações, aquilo que dá certo, é repetida. Fizemos várias operações no ano passado e outras virão”, afirmou. “É uma repressão qualificada, que demora entre 40 e 50 dias para acontecer. Precisamos de um período anterior para fazer toda a investigação para depois dar o ‘bote’ e você precisa também, depois, de um período posterior para terminar a demanda que aquilo gera, de apreensões, de inquéritos a ser concluídos e perícias a serem feitas”, explicou.

Leia também:  Duas são detidas com 117 porções de drogas escondidas nas partes íntimas e no sutiã

Peralta também destacou a participação de todas as diretorias, alunos da Academia de Polícia Civil, setores administrativos do prédio da Diretoria Geral e policiais da Corregedoria Geral. “Esse é o formato de operação que melhor se adequou nos 16 meses que estamos à frente da instituição. Envolve toda a diretoria, todas as unidades do Estado, que precisam apresentar para o dia um produto”, finalizou o delegado geral.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.