Foto: Juan Barreto / AFP Photo
Foto: Juan Barreto / AFP Photo

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenou estender de um para três dias por semana a folga do setor público para enfrentar a severa crise de eletricidade que afeta o país, anunciou o governo nesta terça-feira (26).
“Quarta, quinta e sexta-feira não se trabalhará no setor público à exceção daquelas tarefas que são fundamentais, que são necessárias”, disse o vice-presidente Aristóbulo Isturiz em uma transmissão pela televisão da Central Hidroelétrica de Guri, em Bolívar (sudeste).
“Peço a máxima compreensão, apoio, solidariedade, ação e consciência”, disse Maduro sobre as novas medidas, durante seu programa semanal de TV.
Maduro avaliou que ao menos por duas semanas os funcionários públicos não trabalharão na quarta, quinta e sexta-feira, exceto nas tarefas consideradas fundamentais para o funcionamento do país.
Os cerca de dois milhões de funcionários públicos afetados pela medida já não trabalhavam nas sextas-feiras e cumpriam uma jornada diária reduzida de seis horas para poupar energia.

Leia também:  Festa de aniversário é proibida na Arábia Saudita para poupar gastos desnecessários
Reprodução
Reprodução

Até o momento, a medida envolvendo o funcionalismo não afetava o setor da educação, mas nesta terça Maduro determinou que as escolas do ensino fundamental e médio não funcionem nas sextas-feiras.
O governo afirma que a seca causada pelo fenômeno climático El Niño é a pior dos últimos 40 anos, o que secou as represas e ameaça a Central Hidroelétrica El Guri, em Bolívar, que gera 70% da eletricidade do país.

Apagões aumentam irritação popular

Os cortes de energia já eram frequentes no interior do país, mas agora atingem diversas grandes cidades, ampliando a irritação entre uma população que já enfrenta a disparada da inflação e a falta de produtos básicos. Na noite de segunda ocorreram protestos em Maracaibo, segunda cidade do país e capital do estado de Zulia, durante o corte no fornecimento.A região da Grande Caracas foi poupada do racionamento de energia.
“É uma situação extrema, El Niño não é uma brincadeira, peço a máxima consciência nacional para que sigamos com muita serenidade e paz social enfrentando isto”, disse Maduro na noite desta terça.
“Estamos pedindo ajuda internacional de emergência para o processo de recuperação (…) da represa de El Guri, ajuda técnica, assessoria, cooperação financeira para realizar obras”, disse Maduro.
A oposição, que controla o Parlamento, acusa o governo de não ter planejamento. “São incapazes e seguem aumentando os dias de folga. A crise piora a cada dia”, escreveu o presidente do Legislativo, Henry Ramos Allup.

Leia também:  Escassez de soro antiofídico tem matado mais de 100 mil pessoas anualmente no mundo
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.