Os preços dos remédios devem subir até 12,5% durante o mês de abril em Rondonópolis (MT). Esse valor é o reajuste máximo permitido aos fabricantes na definição dos preços dos medicamentos. A Resolução da Câmara de regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed), órgão do governo, foi publicada no “Diário Oficial da União”.

Conforme a publicação, a regulação é válida para um universo de mais de 9 mil medicamentos com preços controlados pelo governo.

De acordo com o gerente comercial de uma drogaria da cidade, Natal Luiz Soares, a resolução começou a valer no dia 1°, mas isso não significa que a mudança nos preços sejam de forma imediata. “A mudança não acontece de um dia para o outro. O reajuste pode acontecer após uma semanada, 10 dias, ou até mais.  Tudo vai depender da indústria e do produto” explica o gerente.

Leia também:  Déficit previdenciário dos estados cresceu 10% em 2016

Em 2015, o reajuste máximo autorizado foi de 7,7%. Em 2014, o reajuste foi de 5,68%. Esse ano o reajuste foi maior para compensar a inflação do período e o aumento de custos provocado pela alta do dólar e aumentos no valor da energia elétrica.

Segundo a Interfarma, a associação que representa laboratórios farmacêuticos do país, é a 1ª vez em mais de 10 anos que o governo autoriza um reajuste anual de preços acima da inflação. Entre março de 2015 e fevereiro de 2016, a inflação calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 10,36%.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.