montagem Percival e Fávaro

Parece que o clima entre o prefeito de Rondonópolis Percival Muniz (PPS), e o vice-governador de Mato Grosso, Carlos Fávaro (PSD), não está muito amigável. Depois de uma simples conversa em um grupo de WhatsApp, o fato acabou virando uma ‘bola de neve’ que pode passar por cima de algumas alianças políticas para a próxima eleição.

Apesar das conversas pelo aplicativo agora serem protegidas com a criptografia, nada foge aos olhos de alguns interessados em polêmicas, inimizades e manobras políticas.

Tudo começou quando Percival teria falado em um grupo de WhatsApp que um assessor de Fávaro estava aliciando e comprando políticos para se filiarem ao PSD, sigla que é comandada pelo vice-governador em Mato Grosso. O pagamento por uma filiação seria de uma entrada de R$60 mil e outros R$200 mil parcelados em 10 vezes.

Leia também:  Pé de ouvido

O deputado estadual Max Russi (PSB), que faz parte do grupo e viu a conversa, não se aguentou e usou a tribuna da Assembleia Legislativa (AL) para cobrar explicações do vice-governador e agora o ‘leite azedou’.

Fávaro já repudiou as declarações dos ‘amigos políticos’ e disse que não admite a injustiça que está sendo praticada contra a sua honra e moral e que agora medidas judiciais serão tomadas, tanto na esfera penal como na cível.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.