Uma morte em consequência da leishmaniose foi confirmada pela Secretaria de Saúde de Rondonópolis (MT) nessa segunda-feira (11). A vítima é um homem de 36 anos. Além desse caso, o município investiga a morte de um bebê de um ano. Segundo a Secretaria de Saúde, outras quatro casos da doença foram confirmados. Em 2015, foram confirmadas 10 casos e apenas uma morte decorrente da doença.

A morte do bebê e do homem foram registradas semana passada. Entretanto, a causa da morte do homem foi confirmada apenas nessa segunda-feira. Isso porque após o óbito de um paciente, uma equipe técnica inicia um protocolo de investigação daquela morte, para confirmar ou descartar a doença.

Leia também:  Mutirão oferecerá casamento comunitário em Rondonópolis

As outras quatro pessoas que estão com a doença, passam bem e não correm risco de morte. Já a morte do bebê, ainda está sendo investigada.

Sintomas

A doença ataca o fígado e o baço, causando um inchaço do abdômen devido ao aumento desses órgãos.

O paciente contaminado tem febre irregular, prolongada; anemia; indisposição; palidez da pele e ou das mucosas; falta de apetite; perda de peso; inchaço do abdômen.

A recomendação é que se uma pessoa apresentar esses sintomas ela deve procurar o médico, já que a doença pode ser confundida com outras causas.

Precauções

A leishmaniose é transmitida por insetos hematófagos (que se alimentam de sangue) o mosquito tem a cor amarelada ou acinzentada e suas asas permanecem abertas quando estão em repouso. Seus nomes variam de acordo com a localidade, mas são mais conhecidos como mosquito “palha” ou “birigui”.

Leia também:  Acontece neste domingo (10) a 1ª Corrida da Independência

O mosquito “palha” é encontrado em lugares úmidos, escuros, onde existem muitas planta e matéria orgânica. Por isso é recomendado deixar o quintal das residências sempre limpos, para evitar a proliferação do mosquito.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.