Foto: Divulgação/Hospital da Criança
Foto: Divulgação/Hospital da Criança

Os outros três bebês dos quíntuplos que nasceram em Goiânia morreram na segunda-feira (2), segundo o médico Waldemar Naves do Amaral, que fez a inseminação e o parto das crianças. A pediatra que cuidava dos recém-nascidos, Paula Pires, afirmou que a principal causa da morte foi parada respiratória.
Eles estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do Hospital da Criança. Dois deles morreram no fim de semana.

Helena, Geovana, Fernando Filho, Heloísa e Lavínia nasceram de 28 semanas, na última quinta-feira (28). Os pais dos bebês, a fisioterapeuta Chirlei Rosa Medrade e o agrônomo Fernando de Assis Rodrigues Silva, que são de Edealina, no a 153 km de Goiânia, não quiseram falar sobre a perda.
Na noite de sexta-feira (29), Lavínia morreu. Na manhã do dia seguinte Fernando Filho também veio a óbito. Geovana, Heloísa e Helena não resistiram e morreram na segunda-feira.
“Infelizmente, o quadro deles era muito grave, prematuridade extrema e não responderam ao tratamento”, explicou a pediatra.
Segundo o médico que realizou o parto, a mãe fez a retirada dos pontos no início desta tarde e estava muito abalada com a notícia. “Ela estava muito emocionada, mas procurando aceitar que fizemos o melhor pela gravidez, o resultado não foi o desejado. Ela foi liberada e já está a caminho da cidade onde mora”, contou.
Parto
Vinte profissionais participaram da cesariana, que durou cerca de 1 hora. O peso dos bebês variava de 500g a 900g. Eles comemoraram muito a chegada dos filhos e contaram que já estava tudo pronto para recebê-los.
Caso raro
O ginecologista disse na época do parto que nascimento de quíntuplos é considerado bastante raro tanto em gestações “domésticas” quanto aquelas induzidas em laboratório.
“Gêmeos já são raros na população, cerca de 1,5% de incidência. A gravidez normal de quíntuplos é de uma para um milhão. A gestação assistida tem uma probabilidade maior, mas, ainda assim, é rara, porque a ideia é trabalhar com o menor número de embriões possíveis”, avaliou.

Leia também:  Ministério da Saúde libera medicamento para Alzheimer em pacientes do SUS
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.