Foto: Reprodução / Cidade-Brasil
Foto: Reprodução / Cidade-Brasil

A Prefeitura Municipal de Diamantino e a Construtora R.D. Eireli – EPP, acionados pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso em ação civil pública, terão que suspender a execução de um contrato no prazo de 72h, referente ao calçamento de vias públicas. A decisão foi proferida em agravo de instrumento interposto pela 2ª Promotoria de Justiça Cível da Comarca de Diamantino, após o pedido liminar ter sido negado em primeira instância.

Segundo o Ministério Público, o edital e anexos do contrato nº 104/2016, relacionado à execução do calçamento de ruas do bairro Bela Vista, em Diamantino, não especificaram o local do serviço a ser executado e trouxeram apenas vaga menção a alguns bairros do município.

Leia também:  Seplan divulga boletim sobre cenário econômico de Mato Grosso

“Sequer restou discriminado o tipo de pedra adequado para o calçamento da via pública, ou mesmo, para compor seu meio fio. Muito menos esclarece, tal ato convocatório, se a execução do ‘colchão de areia’ é de responsabilidade da Prefeitura de Diamantino-MT ou do licitante que se sagrar vitorioso.”, traz trecho da ação em trâmite.

Na decisão, a desembargadora Maria Aparecida Ribeiro determinou multa diária de R$ 5 mil, em caso de descumprimento.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.