Após nove meses de trabalho na BR-364 / BR-163, a Rota do Oeste concluiu a recuperação de 174 quilômetros de rodovia de Cuiabá a Rondonópolis – com exceção da Serra de São Vicente. As atividades de conserva e restauração do asfalto, além da sinalização e limpeza do entorno da pista tiveram início em setembro de 2015. A partir deste sábado (18) a responsabilidade pelo trecho volta a ser do governo federal, por meio do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Os 174 quilômetros possuem obras de duplicação e recuperação profunda do pavimento sob responsabilidade do DNIT, porém a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) solicitou à concessionária que atuasse no trecho, diante da precariedade estrutural.

O diretor presidente da Rota do Oeste, Paulo Meira Lins, afirma que a empresa precisou rever o cronograma de obras e se reorganizar para atender à nova demanda. “A ANTT solicitou uma recuperação emergencial deste trecho para dar mais segurança e conforto aos usuários. Na época, o DNIT não tinha condições de assumir este trabalho. Agora, saímos do trecho com o dever cumprido”.

As melhorias são uma realidade na região. Dados do Sistema de Atendimento ao Usuário (SAU) da Rota do Oeste indicam que nesse ponto da BR-163 / BR-364 a redução de mortes foi de 60%, se comparados os registros em um curto período de tempo de atuação. De dezembro de 2015 a fevereiro de 2016 ocorreram dez mortes, enquanto de março a maio deste ano foram quatro óbitos. A quantidade de acidentes caiu 9% (de 179 casos para 162), enquanto o número de feridos teve redução de 11% (de 83 registros para 74).

Leia também:  Agosto registra mais de 35,45 mil novas vagas de trabalho formal no país

Para o gerente de Operações da Rota do Oeste, Fernando Milléo, este resultado não é fruto somente das melhorias, mas também do comportamento dos condutores. “As melhorias nas condições do pavimento e da sinalização, com certeza, são muito importantes para garantir a segurança dos usuários, mas a prudência ainda é o principal fator para redução de mortes”.

Além da preservação de vidas, as melhorias na rodovia também representaram queda no número de reclamações de motoristas em decorrência de problemas com veículos, como parte mecânica e pneus furados. Registros do SAU demonstram queda de 32% nos pedidos de resgate por pneus furados e 17% chamados a menos em caso de pane mecânica.

Leia também:  Governo confirma concessão do Aeroporto de Rondonópolis

Em nove meses, a Rota do Oeste tapou 13.183 buracos, fez 2.023 reparos localizados e reconstruiu o equivalente a 40 quilômetros de pista. Para desenvolver o serviço, foi necessária a atuação de 190 pessoas e o uso de cerca de 34 mil toneladas de material asfáltico. A concessionária atuou ainda na instalação de 627 placas de sinalização e na limpeza de 5,5 mil m² de margens de pista.

Histórico – Logo após a transferência do trecho para a Rota do Oeste, em setembro de 2015, a Concessionária começou a restauração do pavimento no segmento compreendido entre Cuiabá e o início da Serra de São Vicente, considerado o ponto mais crítico na época. Foram recuperados 42 km de pista. A partir de janeiro, as equipes foram transferidas para o trecho entre Rondonópolis e Jaciara.

Em 15 de fevereiro, com o fim do período chuvoso, teve início do Plano Emergencial de Recuperação do pavimento. Nesse período, a Rota do Oeste ampliou a atuação nessa região e colocou 190 pessoas e 117 máquinas em campo dia e noite.

Leia também:  Professor de MT é finalista de premiação nacional

Trabalhos contínuos – Com o fim da força-tarefa instalada no segmento de 174 quilômetros compreendidos de Rondonópolis a Cuiabá, a Rota do Oeste vai concentrar suas equipes de conservação e recuperação nos 561 quilômetros que são de responsabilidade da empresa. Estão dentro deste escopo a BR-163, de Itiquira a Rondonópolis, a BR-070 ou Rodovia dos Imigrantes, que contorna Cuiabá e Várzea Grande, a BR-364, de Várzea Grande até Rosário Oeste e o trecho norte da BR-163, de Diamantino a Sinop.

Sobre a Rota do Oeste

A Rota do Oeste, empresa da Odebrecht Rodovias, é responsável pela duplicação, recuperação, conservação, manutenção e implantação de melhorias da BR-163, bem como a oferta de serviços de atendimento ao usuário, entre os municípios Itiquira (MT) e Sinop (MT), um trecho com extensão de 850,9 quilômetros.

Nos cinco primeiros anos, será realizada a duplicação de um trecho de 453,6 km entre a divisa com Mato Grosso do Sul até Rondonópolis, de Posto Gil a Sinop, além da Rodovia dos Imigrantes. Também faz parte do escopo de trabalho da Concessionária a recuperação e conservação do trecho de 108 quilômetros entre Várzea Grande e Rosário Oeste.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.