Foto: Reprodução/TV Globo
Foto:
Reprodução/TV Globo

Devem ser transferidos nesta terça-feira (21) para presídios federais de outros estados 11 presos da facção do traficante Nicolas Fabre Pereira de Jesus, o Fat Family, que foi resgatado de um hospital público no Rio, no domingo.

Entre esses presos está o tio de Fat Family, Edson Pereira Firmino de Jesus, o Zaca, que é apontado pela polícia como um dos envolvidos no planejamento da fuga do traficante do hospital. Fat Family é apontado como um dos chefes do tráfico do Morro Santo Amaro, no Catete, na Zona sul do Rio.

O Disque-Denúncia recebeu até o início da manhã desta terça-feira (21) 12 ligações com informações que podem ajudar a polícia a resolver o caso da invasão do Hospital Souza Aguiar, no Centro do Rio. Cerca de 20 criminosos fortemente armados invadiram a unidade na madrugada de domingo (19) para resgatar o traficante Fat Family. Houve tiroteio e um homem que chegava para atendimento morreu e duas pessoas ficaram feridas.

Leia também:  "Ela enforcava a gente perto da mesa" relata criança sobre agressões sofrida por professora

Na segunda-feira (20) a PM fez uma grande operação em várias favelas do Rio para tentar encontrar os traficantes. Mas nenhum dos envolvidos foi achado e nem Fat Family foi recapturado.

A decisão sobre a transferência foi anunciada pelo secretário de Segurança Pública do Estado (Seseg), José Mariano Beltrame, que se mostrou indignado com o episódio da invasão e disse que vai ser instaurado um inquérito para apurar os procedimentos feitos no hospital.

O secretário disse que está sendo investigada a atuação dos policiais militares que faziam a custódia de Fat Family. Cinco agentes por turno faziam a guarda do traficante e foram rendidos por cerca de 20 criminosos.
O secretário comentou ainda sobre a necessidade de um hospital penitenciário e sobre a atuação da polícia no episódio da fuga de um traficante do hospital. Beltrame disse estar em contato com o departamento penitenciário federal para dar uma resposta à sociedade.

Leia também:  Bandidos assaltam lotérica e levam criança como refém em Teresina

“A gente não está omisso, nem vai ser omisso. Estamos desde ontem buscando providências pra minimizar um fato tão grave como o que aconteceu ontem”, afirmou Beltrame.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.