O acusado Marcos Vinicius - Foto: José Antonio Araújo / AGORA MT
O acusado Marcos Vinicius – Foto: José Antonio Araújo / AGORA MT

A Polícia Civil encerrou hoje (21) o inquérito  sobre a morte de Aldo Feitosa e  concluiu que  a  vítima  foi alvo de um crime de latrocínio, roubo seguido de morte. Segundo o delegado Rafael Fossari que está à frente das investigações, Marcos Vinicius, 18 anos, matou o gerente de hotel por estrangulamento e socos,  já que o assassino é lutador de artes marciais.

A Polícia descobriu através de ligações feitas pelo telefone do acusado,  que o crime foi premeditado, ou seja, planejado por Marcos Vinicius, no qual  o mesmo  matou a vítima para roubar o veículo do  amigo.

VERSÃO APRESENTADA PELO SUSPEITO

Aldo Feitosa - Foto: arquivo pessoal
Aldo Feitosa – Foto: arquivo pessoal

O suspeito alega que foi um homicídio, o mesmo chegou a dizer a Polícia que teria  pedido o veículo da vítima emprestado e que a  vítima teria  tentado o beijar  momento este  que o  suspeito acabou empurrando a vítima que caiu no chão e bateu a cabeça e teve  sangramento e que ao ver a situação, o suspeito disse  ter dado uma gravata  na vítima, enforcando o mesmo terminado de matar e depois jogado no rio.

Leia também:  Homem tem morte suspeita após surtar e invadir residência no Jardim das Flores

CONCLUSÃO DO DELEGADO

“Mas após as investigações tivemos certeza e convicção que nada disso que aconteceu, o que ocorreu na verdade foi um crime de latrocínio premeditado com estrema crueldade praticado por Marcos Vinicius, o que ele queria exatamente era  roubar o veículo da vítima,  ele não matou o Aldo por acaso”, disse.

Marcos convenceu Aldo a ir buscar ele em sua residência no Primavera Três, acreditando que ninguém daria falta  do mesmo, no meio do caminho  estrangulou a vítima e depois colocou o corpo no porta malas do carro, onde há vestígios de sangue comprovado também pela Politec e só depois deixou o corpo na MT-130, sentido a Paranatinga próximo ao Frigorífico.

Durante as investigações a Polícia encontrou o celular com um rapaz  que estava no carro com Marcos e que,  por enquanto, é testemunha do caso.

Leia também:  Após assalto, vítima atropela suspeitos em Rondonópolis

Temos provas, conversas telefônicas, que a intenção de Marcos era de matar e roubar o veículo  e ainda pegou todo dinheiro  da  vítima cerca de R$ 1 mil para gastar em festas, com mulheres,  enfim.

A Polícia também encontrou os documentos da vítima na casa de Marcos que agora  vai responder por crime de latrocínio e ainda por ocultação de cadáver uma vez  que o mesmo tentou esconder o corpo.

RELAÇÃO AMOROSA

Delegado  disse ainda que Marcos  trabalhou  no mesmo hotel onde a  vítima trabalhava como gerente, local onde os dois se conheceram e que não tem provas de nenhum relacionamento amoroso entre os dois.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.