Uma professora de música matou a filha grávida de sete meses e feriu o neto de quatro anos com uma  faca, no último sábado (25), na cidade de Ribeirão Preto, interior de São Paulo. A criança recebeu alta nesta semana.

Foto: Reprodução Rede Record
Foto: Reprodução Rede Record

Alda Pereira, de 62 anos, teve um surto na manhã de sábado e matou a filha de 31 anos que estava grávida de sete meses – o bebê também morreu. A professora feriu também o neto, que recebeu alta na tarde de segunda-feira (27).

Logo em seguida, Alda tentou cometer suicídio, mas foi impedida por um vizinho que viu a cena e foi salvá-la, no bairro Ribeirânia. O marido da professora estava viajando.

Leia também:  Decreto que buscava aniquilar reserva na Amazônia é suspenso pela Justiça Federal

A professora foi internada e permanece em um hospital particular da cidade paulista. Ela está sob escolta policial e o órgão colheu o depoimento da suspeita nesta terça-feira (28). O companheiro de Alda também será ouvido.

A família da vítima acionou advogados que trabalham com a ideia de que a professora teve um surto psicótico, mas ainda não está confirmado se ela tem algum problema psicológico.

O genro da professora é cineasta e estava na Itália quando o crime aconteceu. Matheus Vieira postou em seu Facebook: “se tínhamos planos, sonhos, viagens programadas, hoje procuro só ter forças para continuar caminhando ao lado do meu filho”.

O genro afirmou, ainda, que a única lembrança que tem da professora “é de uma mulher apaixonada pela família e que sempre fez tudo pelo neto e pela filha”.

Leia também:  Esposa de vice-prefeito é encontrada morta dentro de casa em GO

Vieira acrescenta que não tinha dúvidas que ela não estava em sã consciência no momento do crime e que “nunca soube se Alda era ou não diagnosticada com alguma [doença]”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.