Foto: ilustrativa
Foto: ilustrativa

Para fins de publicidade e transparência, o Governo do Estado de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, esclarece que não haverá distribuição de soro antiofídico na rotina para os municípios nos meses de junho e julho. A falta do imunobiológico ocorre devido ao adiamento do cronograma de entrega ao Ministério da Saúde, por parte dos laboratórios produtores.

Com o desabastecimento, os soros antibotrópico (pentavalente), anticrotálico (SABC) e antiaquético (SABL) não serão distribuídos aos estados. De acordo com a gerência de Vigilância em Agravos Imunopreveníveis da SES, desde 2013 Mato Grosso vive esse cenário de desabastecimento dos soros antiveneno, com uma redução mensal de mais de 50% na quantidade repassada pelo Ministério da Saúde.

“Estamos com o estoque crítico em relação ao soro antiofídico e isso não ocorre só em Mato Grosso. Há um desabastecimento nacional em função de problemas na produção desses soros. Até o mês de maio recebemos o soro na rotina numa quantidade menor. Porem, nos próximos dois meses (junho e julho) a situação tende a piorar porque o Ministério da Saúde não distribuirá as doses para os estados”, explica a gerente de agravos imunopreveníveis da SES, Cláudia Soares.

Leia também:  Sinfra pavimenta MT-336 e leva asfalto para Santo Antônio do Leste

Ela explica ainda que os municípios estão sendo orientados, por meio de Nota Técnica, a utilizar de forma adequada o soro antiveneno, seguindo as instruções do protocolo clínico. “Além disso, os municípios devem informar todos os casos de acidentes por animais peçonhentos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), pois ele é a fonte oficial utilizada pelo Ministério da Saúde para a previsão do quantitativo de soro a ser distribuído ao estado”.

Além da nota técnica, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) também realizará uma web aula, por meio do Telessaúde, para os profissionais de saúde sobre o manejo correto nos casos de acidentes com animais peçonhentos e uso racional dos soros. Também orienta a população a evitar ao máximo a exposição a situações de risco, que possa contribuir com a ocorrência de acidentes.

Leia também:  Seges alerta servidores para fim do recadastramento

Diante do desabastecimento e das características geográficas e sazonais do estado, a gerência de Vigilância em Agravos Imunopreveníveis utilizará o estoque atual de soro antiveneno de forma que cada região receba um quantitativo mínimo, além de manter na rede de frio central um estoque estratégico mínimo para atender os casos notificados.

Soros

Os soros antivenenos são fornecidos ao Ministério da Saúde pelos laboratórios produtores oficiais brasileiros como o Instituto Butantan, Instituto Vital Brazil (IVB), Fundação Ezequiel Dias (Funed) e Centro de Produção e Pesquisa de Imunobiológicos (CPPI).

De acordo com o Ministério da Saúde desde 2013 a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) exigiu dos laboratórios o cumprimento das normas definidas por meio das Boas Práticas de Fabricação (BPF), o que levou à necessidade de adequações e reformas nos parques industriais e, consequentemente, interrupção na produção dos soros.

Leia também:  CGE constata sobrepreços nos procedimentos judicializados

Entre as justificativas apresentadas pelos laboratórios para a constante reprogramação dos cronogramas de entrega estão a assinatura do Contrato em 2016, greve de funcionários, furto de animais, problemas no abastecimento de matérias-primas e na produção.

Em nota o Ministério da Saúde informou que acompanha rotineiramente os cronogramas de entregas dos soros antivenenos e que está em contato com os laboratórios na tentativa de antecipação das futuras entregas de antivenenos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.