Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O Ministério Público de Mato Grosso ingressou uma Ação Judicial contra o município de Tangará da Serra (MT) para que seja regularizado o fornecimento de medicações essenciais e insumos médicos nos postos de saúde e no hospital municipal. O pedido do MP é que sejam supridos esses medicamentos em até 15 dias.

Segundo a ação, a promotoria apurou durante vistoria a quase inexistência de medicamentos básicos como dipironas injetáveis, antibióticos e de insumos de primeira necessidade como seringas, luvas e gazes.

Para a promotora de Justiça Claire Vogel Dutra, a irregularidade no fornecimento de medicamentos afeta diretamente no quadro de saúde daqueles que precisam dos remédios.

“Não se pode olvidar que as pessoas que precisam dos medicamentos e insumos, além de serem cidadãos e contribuintes, são seres humanos doentes, eles precisam desses remédios para que não haja a piora de seu quadro de saúde e para permitir a recuperação da saúde, no caso de doenças curáveis, e por fim, para preservar a sua vida que pode ser perdida se não houver o recebimento dos fármacos”, ressaltou a promotora.

Leia também:  Falha elétrica é a possível causa do incêndio no frigorífico em Rondonópolis

A promotora pede a Justiça que seja estabelecido o prazo de 15 dias para que o município supra os medicamentos essenciais que estão em falta e 3 meses para que seja montado um estoque regulador para atender à demanda por esse período trimestral a fim de prevenir novas faltas dos produtos farmacêuticos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.