Um garoto de apenas 6 anos resolveu fazer uma homenagem aos profissionais do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) pelo tempo que ficou internado no local.

Pedro recebeu atendimento na unidade em julho de 2015, após se atropelado em Chapadão do Céu, onde mora, no sudoeste de Goiás. Com um coágulo na cabeça e uma fratura no fêmur direito, ele ficou 22 dias no hospital.

Totalmente recuperado, Pedro Otávio se juntou a seus irmãos Victor Hugo Rodrigues, de 11 anos, e Maria Eduarda Rodrigues, de 12 anos, para prestar a homenagem aos membros da Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Os três são integrantes da Banda Municipal de Chapadão do Céu.

Leia também:  Ex-médico condenado a mais de 100 anos por estuprar dezenas de pacientes irá cumprir prisão domiciliar
Foto: Danielle Oliveira/G1
Foto: Danielle Oliveira/G1

A mãe Rosilene Rodrigues da Silva explica que, após uma cirurgia que precisou ser realizada, Pedro foi induzido ao coma e quando saiu do estado de sedação, após três dias, começou a assobiar. “Médicos, enfermeiros e assistentes ficaram muito comovidos. Pediram para que ele viesse tocar quando melhorasse e ele ficou com isso na cabeça. O tempo todo ele queria vir tocar para eles”, relata.

Ao despertar do coma, o garoto não entendia aonde estava e a mãe conta que tentou explicar o que estava acontecendo. “Eu falava ‘olha, a gente está aqui no hospital. Estão arrumando a sua perninha e a gente vai pra casa. Essas pessoas de branco [equipe médica] são todos anjos que Deus colocou pra cuidar de você. O que a mamãe não puder fazer por você, eles vão fazer’. Então ele saiu daqui querendo voltar para agradecer”, diz a mãe emocionada.

Leia também:  Motéis recebem multas por venderem produtos vencidos em Goiânia
Foto: Danielle Oliveira/G1
Foto: Danielle Oliveira/G1

O diretor geral do Hugo, Ciro Ricardo Pires Castro, se emocionou com a homenagem realizada pelas crianças. “É uma emoção indescritível. Uma criança de 6 anos vir tocar aqui para os doentes na UTI, onde ele esteve internado e que graças a Deus saiu sem sequela, sem lesão nenhuma, é um momento de profunda emoção que nos anima a continuar trabalhando. A maior recompensa que um profissional pode ter é o reconhecimento e quando esse reconhecimento, essa gratidão, é expresso pela música tocada por uma criança é maravilhoso”, relata.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.