17 de abril de 2021
Mais
    Capa Notícias Brasil Após matar filho por não quere comer, pai foge com medo de...

    Após matar filho por não quere comer, pai foge com medo de ser morto em SP

    O pai considerado suspeito pela polícia de matar o próprio filho espancado em Peruíbe, no litoral de São Paulo, entrou em contato com a família da mãe do garoto e disse que não iria se entregar, pois está com “medo de morrer”.

    Foto: G1
    Foto: G1

    Felipe de Jesus Soares Araujo, de 32 anos, é suspeito de espancar seu próprio filho, Rafael, de cinco anos, após o garoto dar trabalho para comer. O crime aconteceu na noite da última sexta-feira (15) e o homem fugiu após a Polícia Militar ser acionada.

    Segundo a madrinha da vítima, Felipe ligou para o celular da mãe de Rafael no dia seguinte ao crime.

    “Por conta da confusão, o celular dela [mãe de Rafael] acabou ficando comigo, portanto quando o Felipe ligou, eu que atendi. Ele disse que a culpa não era dele, que ele não teve a intenção de matar o menino. Eu pedi para ele se entregar, mas ele disse que não ia fazer porque estava com medo de ser morto por alguém. Nesse momento, eu disse que iria enterrar o filho dele e a ligação caiu”, explica Luciana da Silva, de 34 anos.
    Luciana conta também que conversou com a mãe do garoto, que está ‘arrasada’ com a situação.

    Foto: Cássio Lyra/G1
    Foto: Cássio Lyra/G1

    A madrinha da criança diz que Felipe afirmou mais de uma vez que não gostava do filho e tinha um comportamento violento, o que deixava a mãe do menino com medo.
    “Certa vez, ele disse que não tinha nenhum amor pelo Rafael. Ele também era muito violento, e o medo um dos motivos que mantinha a mãe do Rafael morando com esse monstro. Eu cheguei a sugerir para ela morar comigo, mas ele ameaçava ela caso saísse de casa”, disse.
    Perplexa com o ocorrido, Luciana pede para que alguém que tenha informações sobre o paradeiro de Felipe denuncie à polícia. “Toda a família está arrasada. Só queremos justiça. O pior de tudo foi vê-lo dentro do caixão, todo machucado. Esse menino era uma pessoa especial”, desabafa.