Foto: Reprodução / Pense Magro
Foto: Reprodução / Pense Magro

Dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que 15% dos brasileirinhos com idade entre 5 e 9 anos são obesos. E um em cada três, quando sobe na balança, vê o ponteiro mostrar um número acima do recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para encararmos esse quadro com um olhar menos pessimista, ao menos sabemos que, se for essa a causa da hipertensão, é possível intervir para impedir que ela acompanhe essa turma pelo resto da vida. Para isso, o diagnóstico precisa ser feito o mais cedo possível. O pediatra deve ter o cuidado de medir anualmente a pressão – com um aparelho adequado à idade, claro – a partir dos 3 anos. E classificar os resultados de acordo com uma tabela que considera faixa etária, peso e altura da criança. O ritual é o mesmo seguido com os grandões: medição feita nos dois braços e repetida duas ou três vezes.

Leia também:  Sexo frequente turbina cérebro em maiores de 50 anos

Se o problema se confirmar, o foco deve ser a perda dos quilinhos extras e a adesão a exercícios. É hora então de a família se unir em busca de uma dieta equilibrada, substituindo sobretudo produtos industrializados lotados de sódio e açúcar. E, aos poucos, experimentando nadar, pedalar, jogar futebol… Cada criança vai descobrindo suas práticas favoritas.

Só que existem casos em que algum outro problema de saúde influencia o disparo da pressão entre os pequenos – um defeito anatômico na aorta ou nas artérias dos rins, por exemplo. Aí o desafio é descobrir e tratar a encrenca quanto antes para os valores diminuírem e ficarem dentro do normal.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.