Um assunto técnico que merece ser detalhado é uma complicação que pode ocorrer após uma virose comum nesses tempos de inverno. Para se infectar de um vírus que causa a virose na maioria das vezes basta estar com baixa imunidade geral, pois o nosso organismo, desde o nascimento, vai se fortalecendo na defesa contra as infecções por vírus e outras formas de infecções. Nos países tropicais essa é uma das características da população, que no geral tem boa imunidade. Hoje a vacinação das crianças, dos adultos e dos viajantes tem servido como proteção efetiva contra as viroses e suas epidemias.

Pesquisas na área da cardiologia do esporte mundial têm alertado sobre uma das causas de morte súbita, a miocardite viral, principal causa no Brasil e uma das três principais no mundo. Debates científicos sobre esse evento detectaram que o treinamento físico sem nenhuma orientação profissional de um profissional de educação física, onde volume e intensidade são inadequados e em excesso, diminuem a imunidade do atleta, o expondo a diversas viroses e suas consequências, que ao redor de 5% delas acabam atingindo o coração e provocando uma miocardite.

Leia também:  Cuiabá vence e se classifica para grande final

São conhecidos pelo cardiologista os três possíveis caminhos de uma miocardite. A primeira é seguir uma boa evolução do tratamento até sua cura sem sequelas em algumas semanas de repouso absoluto. Outra é a evolução com graves arritmias, culminando com alto risco da piora das arritmias, a fibrilação ventricular, sinônimo de parada cardíaca. A terceira é a miocardite se transformar em miocardiopatia dilatada, ou seja, ocorre um crescimento lento e progressivo cardíaco, com perda de sua força de contração, formando o conhecido popularmente como “coração de boi”, com evolução complicada na insuficiência cardíaca e baixa qualidade de vida.

O que fazer então? De início, não treinar com quem não for profissional de educação física com conhecimento na modalidade esportiva que você pretende seguir, seja ciclismo, natação, tênis, atletismo, corridas ou outras. Uma avaliação médica prévia obrigatória e com foco na modalidade faz parte do contexto da prática esportiva de qualidade e com segurança. Temos visto erros crassos, como os de tenistas e jogadores de squash com acentuada escoliose devido ao treinamento unilateral, sem compensação física do outro lado do corpo. O equilíbrio entre o descanso e treinos evitará o risco dos excessos de treinamentos e suas consequências na imunidade do atleta.

Leia também:  Campeonato amador visa arrecadar alimentos em prol a campanha de Natal em Rondonópolis
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.