16 de abril de 2021
Mais
    Capa Notícias Mundo História do movimento LGBT entra como disciplina escolar na Califórnia

    História do movimento LGBT entra como disciplina escolar na Califórnia

    Crianças e adolescentes dos EUA, vão estudar a história do movimento LGBT para conhecerem e aprender a respeitar as diferenças.

    Autoridades da Califórnia decidiram, após votação unânime, que o tema deverá ser incluído no currículo de aprendizagem dos estudantes.

    Foto: MaisPB
    Foto: MaisPB09

    O Conselho Estadual de Educação do estado aprovou a inclusão do estudo sobre as contribuições de grupos minoritários no contexto histórico-social americanos.

    O conteúdo LGBT será incluído no currículo do ensino básico, fundamental e médio em todo o estado.

    Na quarta-série os alunos aprenderão sobre “o surgimento das primeiras organizações de direitos gays do país na década de 1950”.

    O estado da Califórnia foi um dos primeiros a apoiar movimentos LGBT desde 1970 e já garante o direito ao casamento homoafetivo.

    O grupo LGBT ‘Equality Califórnia’ elogiou a medida.

    “Esta ação fará com que os momentos essenciais da nossa luta por igualdade e a evolução das identidades de gênero e das comunidades não seja esquecida”.

    O manifesto de apoio destaca ainda que o currículo escolar há muito tempo precisava ser mais inclusivo, também para deixar estudantes gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros mais confortáveis no ambiente escolar.

    “Isso permite que todos os alunos passem a pensar criticamente e expansivamente sobre como esse passado se relaciona com as funções atuais e futuras que podem desempenhar em uma sociedade inclusiva e respeitosa,” afirmou Don Romesburg, Diretor da Comissão da História LGBT em comunicado.

    “Este documento vai melhorar nosso ensino. Isso vai dar aos nossos alunos o acesso à mais recente pesquisa histórica e ajudá-los a aprender sobre a diversidade de nosso estado e as contribuições de pessoas e grupos que não tinham recebido o reconhecimento apropriado no passado”, afirmou.