Uma campanha de Prevenção e Diagnóstico será realizada no próximo dia 16 durante a segunda edição do projeto Julho Verde, que prevê atenderá a população com lesões na boca, problemas na laringe, enfim, que suspeitam de algum tipo de câncer na região da cabeça e pescoço. O evento realizado pela Apor (Associação de Pacientes Oncológicos de Rondonópolis), será realizado na estrutura do Ceadas (Centro Especializado de Apoio Diagnóstico Albert Sabin).

A dinâmica segue o modelo realizado em 2015, os pacientes receberão senhas entre as 07h e 08h da manhã, e depois passarão pela triagem. No total serão disponibilizados 300 números. Em seguida os pacientes serão consultados e se necessário encaminhados para biópsia.

Leia também:  Réu revel é julgado na 2ª etapa do Tribunal do Juri nos bairros

De acordo com Carlos Henrique Fortes Pereira, coordenador da campanha e médico cirurgião de cabeça e pescoço, as pessoas demoram para procurar ajuda. “Câncer em fase inicial, com diagnóstico rápido têm cura, tem tratamento. O problema que acontece em âmbito nacional é que os pacientes habitualmente chegam ao médico com a doença em fase avançada, necessitando maior tempo e maior gasto no tratamento com possibilidades reduzidas de resolver o problema”.

O público-alvo da campanha são homens e mulheres a partir de 50 anos de idade, tabagistas e pessoas que consomem álcool com frequência, com a presença de sintomas como feridas e/ou aftas na boca, rouquidão que ultrapassam três semanas e antecedentes familiares com câncer bucal e/ou câncer na laringe.

Leia também:  Santa Casa | Sem receber, atendimentos eletivos e referenciados serão suspensos no próximo dia 7

Flávio Ribeiro Rocha, presidente da Apor, diz que essa é a atividade da entidade, a constante luta contra o câncer e quando há parcerias neste sentido o resultado é positivo. “Tínhamos que ter mais iniciativas como esta. Hoje em nosso calendário está estabelecido o Julho Verde, o Outubro Rosa e o Novembro Azul. Mas o câncer precisa ser combatido diariamente. A expectativa neste ano é muito grande, estamos fazendo a divulgação nas unidades de saúde, principalmente com os grupos de risco para trazer essas pessoas para o atendimento”, destaca.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.