Foto: Associated Press
Foto: Associated Press

O maior radiotelescópio do mundo está prestes a entrar em funcionamento.
A China colocou a peça final do aparelho no último domingo e, em setembro, ele começará a funcionar, segundo a agência estatal de notícias Xinhua

O telescópio tem o tamanho de 30 campos de futebol (500 metros de diâmetro), é considerado o maior do mundo e sua construção custou US$ 180 milhões.
Com ele, a China espera conseguir explorar o espaço em busca de vida extraterrestre.
O subdiretor nacional de Observação Astronômica da Academia Chinesa de Ciências, Zheng Ziaonian, anunciou que, a partir de agora, os cientistas começam o processo de testes para detectar e corrigir problemas no telescópio.

O Telescópio de Abertura Esférica de 500 metros (ou Fast, na sigla em inglês) fica na Província de Guizhou, sudoeste da China, uma área favorável para a atividade de pesquisa astronômica pois o relevo dos arredores do radiotelescópio o protege naturalmente de perturbações eletromagnéticas.

Leia também:  Prefeito de Mouscron é encontrado degolado dentro de cemitério

O Fast será usado para tentar descobrir a existência de hidrogênio neutro em galáxias distantes e também pulsares distantes (“bolas” de nêutrons muito magnetizadas).
Além disso, o radiotelescópio também aumenta a possibilidade de detectar ondas gravitacionais de baixa frequência.

Foto: Associated Press
Foto: Associated Press

O Fast vai tomar o lugar do Observatório de Arecibo, em Porto Rico, que mede 300 metros diâmetro, como o maior telescópio do mundo.

Sua construção ocorreu em tempo recorde: apenas cinco anos.
E, apesar de as autoridades chinesas afirmarem que seu programa espacial tem fins pacíficos, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos afirmou que o objetivo real da China é “evitar que seus adversários usem dispositivos espaciais em uma crise”.

Leia também:  Reprodução assistida a mulheres solteiras e homossexuais deve ser autorizada na França

O programa espacial do país se transformou em uma das prioridades do governo chinês. Em 2018 o país deve lançar um “módulo central” para sua primeira estação espacial.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.