A Polícia Federal está cumprindo mandados relacionados a Operação Lama Asfáltica em Rondonópolis (MT), os mandados de busca e apreensão visam pelo menos duas aeronaves que foram relacionadas ao esquema criminoso que originou a operação.

Avião apreendido pela PF em Campo Grande - Foto: Divulgação PF
Avião apreendido pela PF em Campo Grande – Foto: Divulgação PF

A Lama Asfáltica está em sua 3ª fase de investigação, desde que foi deflagrada em julho do ano passado. A última ação da PF foi a operação Fazendas de Lama, em maio deste ano e visavam a lavagem de dinheiro por uma rede de “laranjas”. Segundo as investigações, o recurso desviado em obras de pavimentação era utilizando para a compra de fazendas, que totalizaram algo em torno de 67 mil hectares espalhados por Mato Grosso do Sul.

Leia também:  Após levar três tiros, vítima reconhece autores de disparos

Nesta fase da operação cinco chegaram a ser presas e também foram expedidos vários mandados de busca e apreensão. Todos os presos na época, o  ex-secretário estadual de Obras, Edson Giroto, os empresários João Amorim e Flávio Henrique Scrocchio e Wilson Roberto Mariano de Oliveira servidor da Agesul já foram liberados.

Hoje (07) pela manhã Edson Giroto, ex-secretário de Obras de Mato Grosso do Sul, e seu cunhado Flávio Henrique Garcia Scrocchio foram novamente presos na nova fase da Operação Lama Asfáltica, denominada Aviões de Lama. Além de Giroto e Scrocchio o empresário João Amorim passou a ser investigado.

Além de Rondonópolis a PF faz buscas em Cuiabá (MT) e Tanabi (SP).

ATUALIZAÇÃO – 10:59

Leia também:  Motorista é mantido em cárcere privado durante roubo e carreta é recuperada

Um dos aviões apreendidos pela PF em cumprimento da nova fase da operação Lama Asfáltica pertenceu a um grande produtor de algodão de Rondonópolis, J.A.L.G., que já havia prestado depoimento à Polícia Federal no decorrer das investigações.

Segundo o advogado do produtor, Duílio Piato Júnior, o executivo durante o seu depoimento explicou que fez uma permuta com os empresários alvos da investigação, cedendo a aeronave apreendida e recebendo outra, mais potente.

Duílio ainda informou que o produtor mora atualmente no Paraná. Ele possui fazendas nas regiões Sul e Oeste de Mato Grosso e já foi diretor da Ampa (Associação Matogrossense dos Produtores de Algodão).

O avião bimotor apreendida e que já pertenceu a J.A.L.G., foi fabricado em 2010, tem capacidade para transportar seis passageiros e seu preço médio no mercado é  R$ 3,5 milhões.

Leia também:  Quadrilha rende e aterroriza pessoas em bar na Gleba Rio Vermelho
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.