A polícia da Luisiana matou a tiros um afro-americano que vendia CDs piratas na porta de uma loja de conveniência, provocando protestos em mais um caso de suposta violência policial nos Estados Unidos.

Foto: Michael Kunzelman/AP
Foto: Michael Kunzelman/AP

Um vídeo gravado por testemunhas e postado na internet mostra um policial correndo atrás de um homem negro na madrugada de terça-feira, antes que outro policial o ajudasse a jogar o suspeito no chão e disparasse contra ele à queima-roupa quatro vezes.

“Atiraram nele? Desgraçados, meu Deus!”, grita a testemunha no vídeo.
A polícia de Baton Rouge, a capital de Luisiana, identificou o homem atacado como Alton Sterling, de 37 anos, e afirmou que os dois policiais tentaram fazer contato com ele no estacionamento da loja de conveniência.
Eles teriam ido ao local após a central receber uma denúncia de uma pessoa que afirmava ter sido ameaçada por um homem armado.

Leia também:  Países apostam em faixa de pedestre em 3D para diminuir atropelamentos

“Houve uma discussão entre Sterling e os policiais. Sterling foi baleado durante a discussão e morreu no local”, informa a polícia em seu Facebook, acrescentando que os procedimentos normais foram seguidos e que os dois agentes envolvidos foram colocados em licença administrativa.
Mãos ao alto
Cerca de 100 pessoas, incluindo amigos e parentes de Sterling, protestaram próximo à loja e bloquearam as ruas adjacentes.

Foto: Hilary Scheinuk/The Advocate/AP
Foto: Hilary Scheinuk/The Advocate/AP

Os manifestantes exibiam cartazes com dizeres como “A vida dos negros não importa” e “Justiça para Alton”.
O congressista democrata Cedric Richmond, que representa o distrito de Luisiana, pediu que o departamento de Justiça dos Estados Unidos inicie uma investigação transparente do incidente.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.