Foto: Divulgação / Sintep
Foto: Divulgação / Sintep

Os servidores da Educação de Mato Grosso decidiram em assembleia geral realizada ontem (4) em Cuiabá (MT) pela continuidade da greve que já dura cerca de 35 dias. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Ensino Público em Mato Grosso (Sintep-MT), Henrique Lopes do Nascimento, a greve na educação estadual continua e por tempo indeterminado.

Com a decisão, 90% das escolas permanecem paralisadas. A assembleia ocorreu na Escola Estadual Presidente Médici, em Cuiabá (MT), em seguida, os profissionais da Educação saíram em caminhada até o centro da cidade, como forma de protesto.

 “A luta em defesa dos direitos dos trabalhadores/as da educação continuará, dada a inconsistência do Governo em apresentar proposta que atenda a pauta de reivindicação da categoria”, afirmou Henrique.

Leia também:  Sete deputados de MT votam para livrar Temer de investigação

A greve dos servidores iniciou no dia 31 de maio, em razão do não pagamento integral da Revisão Geral Anual (RGA) de 11,28%.

Segundo o Sintep-MT, outras reivindicações apresentadas não foram atendidas como a suspensão da proposta do Governo do Estado em implantar as Parcerias Público-Privada, a apresentação de calendário de Concurso Público para todos os cargos e funções da carreira e o cumprimento integral da Lei 510/2013 que dispõe sobre a reestruturação dos subsídios dos Profissionais da Educação.

Os 93 municípios presente em Assembleia Geral respaldaram a manutenção da mobilização.

Legitimidade

A Justiça reconheceu como legítima a greve dos servidores da Educação de Mato Grosso. A decisão foi assinada na última terça-feira (28), pelo desembargador Juvenal Pereira da Silva, o mesmo afirmou que a recomposição salarial dos servidores está previsto na Constituição. (Veja mais).

Leia também:  Mato Grosso cai duas posições no ranking de competitividade
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.